“Oi, sumido”

Passei um bom tempo (mais precisamente, dois meses e cinco dias) sem aparecer por aqui, e a meia dúzia de pessoas que ainda lê este blog deve ter pensado que ele tinha acabado de novo. Mas está tudo dentro do previsto: ao retomar o Cão Uivador, avisei que não pretendia voltar a ter o mesmo ritmo de 2007-2014.

Nesse meio tempo, fiz um concurso e fracassei de maneira ÉPICA. Precisava acertar pelo menos 70% das questões, mas o índice foi de pouco mais de 50%. Só não considero fiasco pois confesso que estudei bem menos do que deveria.

Já o Grêmio, meus amigos… Esse anda passando bem longe dos fracassos. Não só ganha, como dá show. Ano passado achava que era cedo, mas agora já não tenho medo de dizer que nunca tive tanto prazer em ver meu time jogar como nessa era dourada iniciada em 2016 e que, espero, ainda esteja bem longe do fim.

Mas justamente hoje faleceu o maior símbolo das vitórias gremistas: o ex-presidente Fábio Koff. Em sua primeira gestão, levou o Grêmio à sua maior conquista, o Mundial de Clubes em 1983. Já a segunda passagem começou 10 anos depois em um contexto bem diferente: saindo da segunda divisão e com pouco dinheiro em caixa. E ainda assim, Koff só faltou fazer chover: montou um time barato mas muito qualificado em 1995, que nos levou a ganhar mais uma Libertadores. A última (2013-2014) não teve título algum mas foi também importantíssima: renegociou o contrato da Arena, cuja versão firmada durante a gestão anterior, de Paulo Odone, era péssima para o Grêmio; ao decidir não concorrer à reeleição, Koff indicou como seu sucessor Romildo Bolzan Júnior, que foi eleito e levou nosso Tricolor à atual era dourada.


Nestes dois meses que passaram, tive um período de 15 dias em férias, na segunda quinzena de março. Era saldo do ano passado. No começo de julho desfrutarei de 12 dos 30 dias cujo direito adquiri no começo de 2018. Poderia deixar o restante para tirar no verão de 2019, mas serei obrigado a usá-los para manter minha sanidade mental na época da campanha eleitoral: se já é complicado conviver com colegas de extrema-direita agora, imagina ali por setembro e outubro…

Minha única dúvida diz respeito ao período: fim de setembro e começo de outubro (quando acontece o primeiro turno) ou segunda quinzena de outubro, para escapar do segundo turno e da semana imediatamente posterior? Pois quero acreditar que certo candidato que só fala merda e pouco trabalha (e cujo nome não mencionarei para que as buscas do Google não tragam seus descerebrados eleitores para cá) não ficará acima do terceiro lugar. O problema é que ando cada vez mais pessimista.

Anúncios

O blog não acabou de novo

Sim, meio que “deixei de lado” o Cão nas últimas semanas. Mas não foi de propósito. Às vezes simplesmente me esqueço de vir aqui.

A verdade é que ao longo do mês de março – e também no começo de abril – pretendo ficar um pouco mais afastado não simplesmente do blog, como também das mídias sociais, devido à preparação para um concurso. Ainda que eu não tenha lá muita esperança de ficar bem classificado, também não dá para desistir.

Fato importante deste março que se inicia, porém, não deve ser esquecido. No final de setembro de 2015, embarquei em um ônibus à meia-noite em Ijuí, vindo às pressas para Porto Alegre, pois minha avó estava internada em estado grave no hospital. Temi não chegar a tempo de vê-la com vida.

Eis que quase dois anos e meio depois, podemos comemorar mais um aniversário dela. Tudo bem que com muitas limitações na comparação com cinco ou seis anos atrás. Mas o fato é que mais uma vez passo um 5 de março com ela – o único que passei longe foi justamente em 2015, por estar morando em Ijuí.

Às moscas

O Cão tem sido pouco atualizado devido à absoluta falta de tempo, resultante dos estudos para um concurso (que acontece no próximo domingo, dia 10). É para trabalhar na minha área – ou melhor, em uma delas, a História.

A outra, claro, é a escrita. E se um dia puder ganhar a vida em uma delas, poderei realmente me considerar uma pessoa realizada. Mas, enquanto isso não acontece, seguimos com eventuais e excessivamente longas pausas…