Os 100 anos de Vinicius de Moraes

Meu irmão, nada poético em dias de Gre-Nal (caso deste domingo), deve o nome ao poeta Vinicius de Moraes, cujo nascimento completou 100 anos ontem. Quatro anos após meu nome ter sido escolhido pelo meu pai e – literalmente – referendado em uma votação familiar realizada em Rio Grande, foi a vez da minha mãe escolher; meu pai, fã do poetinha, sequer pensou em fazer alguma ressalva.

Além de genial poeta e compositor, Vinicius de Moraes era também um boêmio inveterado – só o fato de considerar o uísque como “cachorro engarrafado” dá uma ideia do quanto apreciava a bebida. E isso resultou em histórias sensacionais, algumas delas contadas pelo meu pai no almoço de sábado.

A primeira delas, é sobre uma surreal entrevista à televisão, gravada na manhã seguinte a uma apresentação aqui em Porto Alegre. O repórter foi encontrá-lo no hotel, e Vinicius logo pediu uísque. Ao final, ambos estavam completamente bêbados, e o mais incrível: a entrevista foi ao ar!

Outra, aconteceu em uma apresentação de Vinicius em Pelotas. Boêmio que era, seu palco contava com uma mesa de bar, e sobre ela uma garrafa de uísque (óbvio…), um cinzeiro e cigarros. Num intervalo, um jovem decidiu subir no palco e pegar como lembrança do espetáculo justamente a garrafa que ainda tinha um pouco de uísque. Quando Vinicius retornou, anunciou que a apresentação não continuaria caso a garrafa não fosse devolvida. Ofereceram outra, da mesma marca, mas ele foi irredutível: queria aquela que antes estava na mesa, para terminar de bebê-la e só então abrir uma nova. O jovem que subiu no palco, temendo levar uma surra, não teve coragem de devolver a garrafa e o espetáculo foi realmente encerrado…

Anúncios

O maior gol de todos os tempos

Via Impedimento, o vídeo do lance sensacional em uma partida de futebol sete na Argentina: um cão invadiu a cancha e marcou o gol de cabeça…

Cachorro em campo é vida!

Cachorro em campo é vida

O pessoal do Impedimento apoia declaradamente as invasões caninas aos gramados de futebol. Como eles costumam dizer, “cachorro em campo é vida”.

Os cães já entraram em campo diversas vezes. Até mesmo em Copa do Mundo: no Mundial de 1962, no Chile, dois perros invadiram o gramado durante o jogo Brasil x Inglaterra – e um deles driblou ninguém menos que Garrincha.

Na Copa América de 2011, na Argentina, novamente um “cusco” esteve em campo. Foi durante a partida entre Brasil e Venezuela.

E agora, como foi dito no Impedimento, o Campeonato Brasileiro “atingiu sua maturidade”: um cão invadiu o gramado de São Januário no jogo Botafogo x Náutico, sendo ovacionado pela torcida presente.

————

Por motivos óbvios, este blogueiro é totalmente favorável às invasões caninas nos campos de futebol. Do contrário, seria obrigação moral trocar o nome do blog…

O mês em que o inverno enlouqueceu junto com os cães

Sempre ouvi dizer que agosto é o “mês do cachorro louco”. Não que eles de fato fiquem loucos nesta época: tem alguns que parecem estar sempre “malucos”, pouco importando o mês.

Imaginei que a tal “loucura” dos cães que é atribuída a agosto na verdade tivesse relação com a expressão “dias de cão” ou “canícula”, usadas para definir o auge do verão no hemisfério norte (e na França, as ondas de calor em qualquer época são chamadas de canicule). Lá, assim como aqui, os dias mais quentes costumam vir cerca de um mês após o solstício de verão: Porto Alegre costuma virar “Forno Alegre” com mais frequência entre o final de janeiro e a metade de fevereiro; já no hemisfério norte o calor mais intenso se dá entre o fim de julho e o meio de agosto.

E realmente, tem a ver com a tal “canícula”. Pois a estrela Sírius, a mais brilhante da constelação de Cão Maior (Canis Major), antigamente costumava surgir no horizonte antes do nascer do Sol justamente no período que corresponde ao auge do verão no hemisfério norte (hoje em dia, devido à precessão do eixo terrestre, a estrela “nasce” pouco antes do Sol em setembro). Daí se começou a associar os dias de muito calor aos cães que ficariam “loucos”.

Acredito que seja apenas coincidência, mas o vídeo abaixo foi postado em 27 de julho de 2006, portanto, em um dos “dias de cão” daquele ano:

Já deve ter gente rindo da minha cara, é óbvio. Afinal, detesto o verão, e os “dias de cão” são associados a calorão… Porém, prefiro outro ponto de vista: trata-se do verão no hemisfério norte, portanto, os “dias de cão” acontecem durante o inverno meridional. Logo, são realmente os “meus” dias.

Porém, neste agosto de 2012 parece que, se os cães enlouqueceram, o “rigoroso” inverno gaúcho resolveu imitá-los. Nas últimas noites, tenho ligado o ventilador para dormir, algo que não lembro de ter feito alguma vez nessa época do ano. (Inclusive ele está funcionando agora mesmo, enquanto escrevo.)

Mas não se trata apenas de ligar ventilador. Os ipês-roxos, que costumam florescer apenas em setembro e assim anunciam a chegada da primavera, já estão floridos agora. Ainda não vejo sinal de florescimento nos jacarandás (árvores que geralmente se enchem de flores em outubro), mas acredito que isso não deva tardar, devido ao tempo bizarro que temos visto em agosto.

As árvores floridas dão uma embelezada na cidade; porém, há o outro lado disso. Pois este mês quente também tem sido extremamente seco (dá para contar nos dedos de uma só mão quantos dias choveu até agora em agosto). A umidade relativa do ar tem andado em torno dos 20%, o que por um lado causa um desconforto menor pelo suor (que evapora rapidamente e sem nos dar aqueles “banhos” típicos do verão, quando a umidade é desesperadoramente alta), mas por outro resulta em outros problemas como ressecamento da pele e até das narinas (tanto que muita gente acaba sangrando pelo nariz, devido à secura do ar respirado).

Mas o pior é um fenômeno típico de São Paulo que tem nos atingido nos últimos dias: o chamado smog, que é literalmente um “nevoeiro de fumaça” (ou seja, poluição atmosférica). Toda vez que chove, o ar é “limpo” pela água que cai do céu; se por muitos dias a chuva não vem, o resultado não pode ser outro que não aquela névoa sobre a cidade. Quando o sol começa a baixar, ela fica mais perceptível. Resulta em um efeito bacana, mas logo depois lembro que a causa disso é um monte de porcarias no mesmo ar que adentra meu sistema respiratório, e já não acho mais tão bonito.

Porto Alegre, no final da tarde de sexta-feira. Parece bonito, mas não é.

Menos mal que, finalmente, a chuva está retornando junto com o frio…

O mundo está doente

Ontem pela manhã, uma motorista que passava pela BR-116 em Canoas ouviu pela Rádio Gaúcha a notícia de que em um ponto da rodovia havia um cão abandonado, junto à mureta que separa os dois sentidos da estrada. Ao enxergar o cachorrinho, não teve dúvidas: parou o carro e o recolheu.

Foi o que bastou para ela ouvir todo o tipo de xingamento. Motoristas de outros carros bufaram pela perda de, sei lá, apenas mais alguns minutos em seu deslocamento. Provavelmente tinham ouvido a notícia sobre o cão, talvez sentissem pena dele, mas retirá-lo daquela situação perigosa… “Nem pensar, não tenho tempo a perder!”, diz o “cidadão de bem”.

Não me resta a menor dúvida de que tudo está muito errado em nossa sociedade. Cada vez mais me convenço de que imaturo não é o jovem que sonha com um mundo diferente, e sim, o velho que não aceita mudanças – e muitas vezes tem menos idade que os jovens sonhadores (que por sua vez, às vezes têm até cabelos brancos).

E há um longo caminho pela frente, como provam os motoristas que esbravejavam. Pois eles representam um dos maiores males da atualidade: a falta de solidariedade.

Cão na Copa América 2011

Resumo de uma reunião que tive dois meses atrás, com um amigo argentino:

Vou expandir o Cão Uivador, torná-lo um blog multinacional. Mas para isso, é preciso divulgar melhor a marca, e vejo a Copa América como oportunidade ímpar. Portanto, faça isso durante algum jogo, e terás direito aos lucros advindos da sucursal argentina.

Taí o resultado:

Cão Uivador… Na GRÉCIA!

Não, amigos, ainda não conheço pessoalmente a terra de Heródoto, Sócrates e Nikopolidis.

Mas considerando que este blog, de certa forma, “rema contra a maré”, o que dizer de um cão de verdade que costuma ir a protestos contra o governo na Grécia? Trata-se de um verdadeiro “Cão Uivador grego”!

Provavelmente o cão pertence ao fotógrafo (se não for dele, é de alguém que também estava em todos os protestos retratados, já que tem coleira). Mas não deixa de ser curioso, né?

Clique aqui para ver as fotos.

Cachorrinha procura um lar

Há cerca de duas semanas, uma cachorrinha de cerca de um ano de idade foi atropelada por um caminhão na Avenida Protásio Alves, bairro Petrópolis, aqui em Porto Alegre. Felizmente, ela foi tratada por uma veterinária, sobreviveu, mas teve de ter amputada uma de suas patas traseiras.

Batizada de Vida, a cadelinha se encontra na sede da ONG Duas Mãos Quatro Patas, à espera de alguém que a adote. Eu não tenho como fazê-lo, mas quem se interessar pode entrar em contato com a ONG através da página, ou deixar o contato com o Guga Türck lá no Alma da Geral.