Por que choveu tanto em Porto Alegre?

Resposta: porque o Marcel fez gol!

A charge abaixo (clique para ampliar), do Kayser, representa ele próprio assistindo ao jogo contra o Santos no Estádio Olímpico. Ele já estava surpreso de comer um pastel de queijo COM queijo, de tomar Bohemia no Monumental…

Por falar em centroavantes “sem faro de gol” e em chuva, lembrei de outro que não tinha jeito de colocar a bola na rede: Adriano Chuva, que passou pelo Grêmio em 2002. Aquele, nem com temporal fazia gol!

Postagem especial

Dedico esta postagem à minha amiga Flavia.

Conheço ela desde 2004, somos colegas de faculdade. Nasceu no Rio, e torce pelo Botafogo.

Em junho, na véspera de Botafogo x Grêmio, pelo primeiro turno do Brasileirão, eu estava na minha, falando com amigos sobre a vitória tricolor de 2 a 0 sobre o Santos na primeira partida da semifinal da Libertadores. A Flavia não estava perto, mas percebeu que eu falava de futebol, me chamou e provocou. E no dia seguinte, o Grêmio, com o time reserva, levou 3 a 0.

Bom, depois de três meses, agora estamos quites: o Grêmio fez 3 a 0 no Botafogo. Os três gols foram do Tuta.

Ele marcou seis gols nos últimos três meses, se não estou enganado. Metade deles ontem, contra o alvinegro carioca. E não bastasse isso, o Tuta ainda não tinha feito três gols num mesmo jogo em 2007.

Como diz o ditado, tem coisas que só acontecem com o Botafogo…

———-

Atualização: Mas como disse o Kayser em resposta a meu comentário no blog dele, gol do Marcel é algo que não acontece nem com o Botafogo… É o “anti-artilheiro” gremista, que se tem “faro de gol”, anda com o nariz entupido.

Queda certa

Não vi o jogo, mas só de saber que o Juventude levou 4 a 0 do Flamengo…

O Ju vai cair para a Segunda Divisão. E mais: não volta tão cedo para a Primeira. É só ver as arquibancadas do Alfredo Jaconi nos jogos em Caxias pelo Brasileirão: o estádio só lota quando a dupla Gre-Nal joga lá!

Assim não tem como ficar na Primeira Divisão.

CANSEI da TV decidir os horários do futebol!

Hoje o Grêmio joga contra o Paraná, às 18:10, no Olímpico. Com frio e chuva.

O horário absurdo é conseqüência da televisão, ela (e não a CBF) é quem decide que horas seu time joga.

É ruim para a torcida? Ela que se exploda, pensam os empresários da mídia e os próprios dirigentes de clubes que aceitam jogar em horários inconvenientes.

Assim, vemos jogos aos sábados e domingos às 18:10 na Região Sul durante o inverno, assim como partidas às 15:00 nos Estados do Nordeste que não adotam o horário de verão quando este está em vigor no sul do país. Ou seja, por causa da TV, joga-se com mais frio e também com mais calor.

Mas o pior são os jogos às 21:45 durante a semana, por causa da novela, que a Globo não aceita mudar o horário. E para isso faz com que o torcedor, que em sua maioria absoluta precisa levantar cedo no dia seguinte para trabalhar, tenha de escolher entre dormir menos (por chegar em casa de madrugada) ou ouvir o jogo pelo rádio (a não ser que ele tenha comprado o pacote do pay-per-view). Sem contar que à meia-noite circulam os últimos ônibus (algumas linhas terminam mais cedo) e conseguir um táxi após um jogo de grande público é uma tarefa das mais difíceis.

Por isso, cheguei à conclusão de que é preciso dar um basta! As torcidas de todos os clubes devem se unir para pregar um boicote aos jogos de futebol às 21:45! Não basta deixar de ir ao estádio: é preciso também não assistir pela TV. Pois se o estádio ficar vazio e a TV tiver audiência, as coisas continuarão do mesmo jeito.

Ir ao jogo “em horário de boate” (como costumam dizer alguns repórteres de rádio) cansa. De verdade.

Preocupante

O título da postagem é a palavra que resume meu sentimento em relação ao Grêmio no Brasileirão 2007.

O Tricolor tem, simplesmente, o pior ataque do Campeonato! Consegue a façanha de ter marcado menos gols do que o América de Natal, que é lanterna da competição!

Fui ao jogo ontem, mesmo com o resfriado do qual ainda me recupero e o frio de 8ºC. Se o Grêmio tivesse simplesmente jogado mal, eu não ficaria preocupado: afinal, teria sido derrotado por ter jogado mal. Mas não: o Grêmio atacou muito. Levou o primeiro gol cedo, aos 3 minutos de jogo: numa rateada da defesa, o Borges entrou desmarcado na área e fez 1 a 0 para o São Paulo. Depois o Grêmio amassou o Tricolor paulista, principalmente no segundo tempo, mas não teve competência para sequer marcar um gol. Fazendo valer a máxima “quem não faz, leva”, em uma bobeada de Itaqui o Tricolor gaúcho sofreu o segundo gol, aos 43 do segundo tempo: não vi este gol pois minha bexiga havia chamado e eu estava no banheiro “tirando água do joelho”.

Não entendi uma coisa: o colombiano Bustos não foi contratado para suprir as carências na lateral direita do Grêmio? Pois ontem quem estava na direita era o criticado Patrício, enquanto Bustos jogou no improviso, na esquerda. Só após a saída de Patrício que o novo lateral gremista jogou em sua posição. E teve chance de mostrar uma de suas qualidades, a cobrança de falta: afinal, marcou três gols desta maneira na última Libertadores, pelo Cúcuta. Mas Rogério Ceni defendeu a cobrança de Bustos.

Menos mal que o Inter perdeu para o Cruzeiro. Não diminui minha preocupação com o Grêmio, mas pelo menos não preciso agüentar colorado.

Batalha dos Aflitos

Ao invés de falar de política, decidi descontrair um pouco e falar de futebol. Na última quarta-feira, os torcedores do Náutico queriam revanche da Batalha dos Aflitos. Aquela derrota ficou engasgada na garganta dos torcedores alvi-rubros. Era a grande chance deles se vingarem do Grêmio.

Mas a revanche ficou para outra hora… Mesmo sem jogar bem, o Grêmio venceu novamente no Estádio dos Aflitos, 2 a 0. E novamente algo inacreditável aconteceu: gol do Tuta!

Abaixo, uma ótima charge do Kayser sobre o jogo.

Só perde a final quem chega lá!

O Grêmio perdeu. Jogou mal justamente o jogo que não podia ter jogado mal. Ainda mais contra um adversário como o Boca.

Mas sejamos sinceros. Com o time que tem, o Grêmio foi longe demais. Em geral não se valoriza o vice-campeonato no Brasil, mas acho que nossos jogadores precisam ser aplaudidos. Nosso treinador Mano Menezes deve ser reverenciado. Conseguiu fazer com que este grupo chegasse à final da Libertadores.

Alguém lembra do dia 21 de junho de 2005? Eu lembro. O Grêmio havia perdido por 4 a 0 para a Anapolina, dois dias antes. Mano Menezes balançava. O time estava mal na Série B. Quem dissesse que dois anos depois a Nação Tricolor estaria lamentando a derrota na final da Libertadores seria mandado na hora para um hospício.

Agora é hora de começar a reação no Campeonato Brasileiro. Domingo tem Grenal, nada melhor do que o Grêmio reiniciar sua caminhada rumo à Libertadores 2008 vencendo o maior rival – que, vale lembrar, ganhou títulos importantes em 2006 mas em 2007 PIFOU, enquanto o Grêmio chegou à final da Libertadores.

E ao Boca Juniors, parabéns pela conquista. O Grêmio jogou mal, mas não podemos esquecer que o Boca jogou bem, e mereceu a vitória por 2 a 0. Ano que vem, nos encontraremos novamente. De preferência, em mais uma final.