Impossível deixar de falar

Ontem o Grêmio fez as pazes com a vitória: ganhou do fraco Boyacá Chicó por 1 a 0, golaço de falta do Souza. Mas podia ter sido uma vitória de goleada, considerada a grande quantidade de chances perdidas pelo Tricolor.

Foi tanta incompetência, que o Grêmio acabou proporcionando três “lances de soccer”. Os dois primeiros foram em seqüência: após chutar em cima do goleiro, Jonas fez o incrível, que foi botar a bola na trave (sem goleiro!) e depois perdeu debaixo da trave.

Depois, foi a vez de Herrera: podia ter posto a bola pelo lado do goleiro e feito o gol, mas saiu junto com ela…

Péssimo resultado

O Grêmio poderia ter goleado o Universidad de Chile ontem, mas não passou de um 0 a 0. Do jeito que as coisas iam, poderia jogar até amanhecer, e o gol não sairia.

Agora, com o dever de casa não feito, tornou-se obrigação vencer pelo menos uma fora de casa, para não passar sufoco na busca pela classificação. Dois dos três jogos fora são nos Andes: o primeiro contra o Boyacá Chicó, em Tunja; o outro contra o Aurora, em Cochabamba.

Os adversários podem não ser os mais famosos, mas altitude sempre atrapalha. Prova disso é que um tal de “campeão de tudo” apanhou nos 705 metros acima do nível do mar de Veranópolis em 2007, e semana passada sofreu com os vertiginosos 227 metros de Rondonópolis.