As Copas que eu vi – Alemanha 2006

No final da tarde do dia 4 de setembro de 2005, me reuni com o meu amigo Diego Rodrigues para tomar cerveja e comer uns pastéis na pastelaria “República do Pastel”. O local, propriedade de um uruguaio, era ponto de encontro de orientales que vivem em Porto Alegre em dias de jogos da Celeste Olímpica. Caso daquele domingo, em que Uruguai e Colômbia se enfrentavam no Estádio Centenário, em Montevidéu, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2006, que se disputaria na Alemanha.

Naquele momento, eu nem imaginava que, em menos de seis meses, estaria no local que via pela televisão. Conversávamos sobre desilusões amorosas, e foi quando eu disse que “o amor é regido pela Lei de Murphy”. O Diego gostou tanto do que falei, que parou um garçom, pediu uma caneta emprestada e anotou a frase em um guardanapo que guardou consigo até o início de 2010, quando me repassou o que é um verdadeiro documento histórico.

Outra coisa que eu não imaginava, era que o Uruguai acabaria ficando fora da Copa. A vitória por 3 a 2 naquele jogo contra a Colômbia foi fundamental para a Celeste chegar à repescagem contra a Austrália, treinada por Guus Hiddink. Na primeira partida, em Montevidéu, 1 a 0 para o Uruguai. Quatro dias depois, em Sydney, 1 a 0 para os australianos nos 90 minutos. Na prorrogação, não foram marcados gols, e assim a decisão foi para os pênaltis. E a vitória foi dos Socceroos por 4 a 2: a Austrália voltava à Copa do Mundo depois de 32 anos – a última (e única) participação fora em 1974, ironicamente também na Alemanha (embora fosse apenas a Ocidental). Continuar lendo

Anúncios

Grêmio: não à “arena”!

Em junho de 2007, o Kayser postou um ótimo texto e uma charge hilária a respeito da proposta de se construir uma “arena PIFA” para o Grêmio:

arena_fifa

Afinal, de uma hora para outra, parecia que o “sonho dos gremistas” passara a ser a tal “arena”. Mais do que ter um time forte, capaz de vencer a Libertadores: perdemos para o Boca em 2007 devido à nossa fragilidade, pois eles só tinham o Riquelme – tanto que no Mundial, sem o craque, tomaram um tufo do Milan. Aliás, nas entrevistas após a derrota na final, o presidente Paulo Odone preferiu falar da falta que fazia a “arena PIFA” do que sobre a qualidade do time.

Duas semanas depois, uma bomba. Acordei e ouvi a notícia que apavorou a Nação Tricolor: Paulo Odone renunciaria à presidência para assumir a “Grêmio Empreendimentos”, empresa que seria (ou será) responsável por gerir a construção da “arena”. No lugar de Odone assumiria… Antonio Britto! Ele não era nada – repito: NADA – no Grêmio. Não ocupava cargo algum. E como conselheiro não era muito assíduo. Assumiria assim, sem sequer passar por eleição: em um país sério isso é chamado “golpe de Estado” (no caso, “de clube”). Uma clara manobra para que o ex-governador, companheiro de partido de Odone (PPS) reaparecesse na política. Porém, eles não contavam com a reação negativa da torcida, e assim o golpe foi abortado, com Odone ficando na presidência do Grêmio.

Em 9 de setembro de 2007, eu já havia postado a respeito do assunto “arena”. Em comentário no Alma da Geral, o leitor Jorge Vieira (que também costuma visitar o Cão) lembrou: o Grêmio é um clube falido, que deve para todo mundo, inclusive para jogadores que foram embora há 10 anos. Logo, não tem condições de ele próprio bancar a construção de um novo estádio. A obra só sai se for financiada por alguma empresa – que vai querer retorno de qualquer jeito, ninguém investe dinheiro para perdê-lo.

Houve uma proposta de se construir a “arena” no mesmo local do Olímpico, porém dois fatores a inviabilizaram: o Grêmio precisaria jogar em outro estádio durante a obra; e também havia o medo de que a construção não fosse concluída por questões financeiras (idéia que faz sentido em um momento como o atual), o que deixaria o Tricolor sem estádio. A opção pelo Humaitá assim tornou-se “natural”.

Porém, a proposta de contrato entre o Grêmio e a construtura OAS prestes a ser aprovada é apavorante. A “arena” terá seu uso “concedido” ao Grêmio. Sim, é isso mesmo: o novo estádio não será do Grêmio, e sim, da empresa, que irá explorar comercialmente a “arena” e o complexo de prédios comerciais que será construído no terreno. E os sócios gremistas não terão total direito ao usufruto das dependências da “nova casa” que, como já disse, não será realmente gremista.

Além disso, o que seria de um clube sem patrimônio? Pois é isto que irá acontecer com o Grêmio caso o contrato proposto seja aprovado. Em um ótimo artigo no blog do Hélio Paz, o Jorge Vieira deixou um comentário perturbador:

Hélio, se entendi bem o Imortal vira um tipo de marca, como o Nike. No Brasil o estádio identifica o clube é um espaço de interação dos torcedores. Tirar o estádio é acabar com essa troca entre os torcedores, surge então uma nova situação como marca, um produto. Não seria um passo para vender a marca? Pode ser uma loucura, mas o caminho fica aberto. Afinal quem é o dono da marca?

Ou seja: na prática, o Grêmio acabaria como clube de futebol (cuja razão de existir é a torcida), passaria a existir apenas como “marca”, comercial. A razão de existir seria apenas o lucro. Nos Estados Unidos, é o que acontece com os times da NBA, como mostra outro esclarecedor post do Hélio: as pessoas não torcem por clubes, e sim por “marcas”, que mudam de cidade de acordo com as “necessidades financeiras” dos proprietários.

Vale lembrar também que o clube de futebol ajuda a criar raízes para muitas pessoas. Não é simplesmente esporte: é o pertencimento a um grupo. Tanto que eu mesmo muitas vezes, ao falar do Grêmio, simplesmente uso o pronome “nós”: ganhamos, empatamos, perdemos, fomos campeões etc. O que faz do Grêmio grande é justamente a torcida, que está ao seu lado tanto na vitória quanto na derrota. Não fosse ela, o Tricolor seria apenas mais um clube social, que abre o departamento de futebol por poucos meses para disputar o Gauchão.

O impacto da “arena” será enorme sobre o torcedor comum. Pois o ingresso no novo estádio não será barato: certamente custará, no mínimo, 50 reais. Para os sócios, haverá uma cota de ingressos “gratuitos”, de aproximadamente 1.250 lugares – sendo que o Grêmio tem mais de 4 mil sócios apenas na modalidade patrimonial que, como diz a própria palavra, têm direito a usufruir do patrimônio do clube. Há ainda os milhares de associados em outras modalidades.

Será também mais caro ir aos jogos devido à distância. O Olímpico, situado dentro da cidade, é servido por um bom número de linhas de ônibus e lotação. A “arena”, no Humaitá, será voltada para quem tem carro – aliás, uma das queixas em relação ao Olímpico é sobre a falta de espaço para se estacionar. Ou seja, será o fim do “até a pé nós iremos” – o que faço muitas vezes – e passará a ser para a maioria das pessoas, o “só de carro iremos”.

Tudo isso por causa da Copa de 2014. Vale lembrar que o último Mundial, em 2006 na Alemanha, teve sua decisão no Estádio Olímpico de Berlim, construído na década de 1930 e reformado para a Copa do Mundo.