A eficácia do que não é escrito

O poder simbólico como poder de constituir o dado pela enunciação, de fazer ver e fazer crer, de confirmar ou de transformar a visão do mundo e, deste modo, a ação sobre o mundo, portanto o mundo; poder quase mágico que permite obter o equivalente daquilo que é obtido pela força (física ou econômica), graças ao efeito específico de mobilização, só se exerce se for reconhecido, quer dizer, ignorado como arbitrário.*

A citação acima, de Pierre Bourdieu, nos ajuda a entender melhor seu conceito de “poder simbólico”. Trata-se daquela dominação que não é explícita, não existe “formalmente” e, por isso mesmo, é mais complicada de ser combatida: afinal, luta-se contra um adversário que não é facilmente distinguível.

O machismo, por exemplo. Não há nenhuma lei que estabeleça a dominação masculina em nossa sociedade. A Constituição brasileira determina a suposta igualdade entre ambos os sexos, e o voto de um homem vale exatamente o mesmo que o de uma mulher. Porém, a prática nos mostra algo diferente: mulheres cumprindo a mesma tarefa que homens e ganhando salários menores, objetificação de seus corpos (aos quais não têm pleno direito, como prova a criminalização do aborto), culpabilização por violência sofrida etc. Contra isso se levantam as feministas, só que o senso comum – que em uma sociedade machista não teria como ser diferente – reage falando da teórica igualdade; alguns vão além e dizem que “as mulheres têm mais direitos que os homens” citando exemplos do tipo “elas não precisam se alistar aos 18 anos” (sendo preciso ignorar que até o início do Século XX – ou seja, “ontem” em termos históricos – a guerra era idealizada; em um contexto de exaltação das nacionalidades, nada mais honroso do que “lutar pela pátria” mesmo correndo o risco de sacrificar a própria vida – o que era, obviamente, “coisa de homem”) ou o fato da licença-maternidade ser maior que a paternidade (o que é fruto da ideia de que cuidar das crianças é tarefa feminina).

Podemos citar diversas outras formas sutis de dominação, que não estão estabelecidas formalmente, não são expressas por leis escritas. Convenções sociais, ideias que são “senso comum”, aparentemente inofensivas e por isso difíceis de serem combatidas.

Uma delas diz respeito ao racismo no Brasil. O “senso comum” fala na tal de “democracia racial”, que não somos um país racista, que não temos leis segregacionistas etc. Porém, até 1888 (novamente, “ontem” em termos históricos) existia oficialmente escravidão, e em consequência disso a maioria da população negra vive na pobreza. Inclusive, há estudiosos que usam a expressão “apartheid social” para se referir à imensa desigualdade no Brasil, em alusão ao racismo institucionalizado na África do Sul de 1948 a 1994. Continuar lendo

Onde você guarda o seu racismo?

“Ser de esquerda hoje é ser crítico em relação a todas as formas de dominação, sobretudo às sutis.” (Pierre Bourdieu)

Citei a frase acima, em texto de quase dois meses atrás, não foi por acaso. Havia uma onda de indignação contra uma lei promulgada em 2003 – mas que era tratada como uma “novidade” – que trata sobre a utilização de animais em rituais de religiões afro-brasileiras. A lei (estadual, válida no Rio Grande do Sul) permite o sacrifício de animais voltados à alimentação humana, desde que este não seja feito de forma torturante.

Como eu disse naquela ocasião, pode-se muito bem discordar da lei. Mas também enxerguei racismo naquela onda de indignação. Afinal, os mesmos que queriam “podar” os rituais de religiões afro-brasileiras não tinham atitude semelhante em relação aos ataques de certos pastores à laicidade do Estado brasileiro – o que representa uma ameaça à democracia.

Esse é o racismo do qual falo. Não é aberto, descarado, como se via na época do apartheid na África do Sul. O racismo no Brasil é sutil. Ele se manifesta quando vemos um negro de terno e gravata e achamos que ele é o segurança do local, nas ocasiões em que falamos certas palavras como “denegrir” (que significa “fazer negro” e é usada para “atacar a reputação” de alguém), quando um serviço bem-feito é dito “de gente branca” (quando inúmeras vezes foi feito por negros), quando dizemos que certas coisas são “programa de índio” etc. É ele que leva famílias candidatas à adoção a aceitarem apenas crianças brancas – e certamente tais pais não se consideram racistas.

A perversidade do racismo brasileiro se deve justamente à sua sutileza, que faz menos pessoas ficarem indignadas e lutarem contra ele. E pior, muitas vezes acabam cometendo as atitudes das quais falei acima, sem perceberem que estão agindo de forma racista.

Assim, no Dia da Consciência Negra, tal questionamento é fundamental: onde guardamos o nosso racismo?

A “gente diferenciada” e o fascismo do século XXI

Recebi via e-mail do camarada Eugênio Neves a tradução de um artigo de Robert I. Robinson, publicado originalmente em inglês na página da Al Jazeera. O texto demonstra fala sobre os novos contornos que o fascismo vem tomando, de modo a que não seja reconhecido enquanto tal. Afinal, muitas pessoas associam imediatamente “nazi-fascismo” a Hitler e Mussolini, sem terem muito conhecimento sobre tal fenômeno – e aí, defendem algumas medidas sem se darem conta de que são fascistas (como, por exemplo, a “higienização social” da cidade).

Um trecho que o Eugênio destacou, considero fundamental:

Os deslocamentos de massas migrantes e a exclusão só aumentaram a partir de 2008. O sistema abandonou setores muito amplos da humanidade, que foram apanhados num circuito mortal de acumulação-exploração-exclusão. O sistema já nem tenta incorporar esse excesso de população: trabalha diretamente para isolá-lo e neutralizar a força de rebelião que tenham, real ou potencial; para isso, o sistema criminaliza os pobres; em vários casos, com medidas que tendem ao genocídio.

O Estado abandona qualquer esforço para garantir a própria legitimidade em fatias muito amplas da população que foram relegadas como excesso de mão de obra – ou trabalho super explorado –, e passa a recorrer a mecanismos de exclusão coercitiva: prisão em massa e os complexos prisionais-industriais, polícia pervasiva, manipulação do espaço, leis super repressivas de imigração e campanhas ideológicas que visam a seduzir essas legiões de pessoas e a torná-las passivas: e vêm as campanhas publicitárias para induzir ao consumo desmedido e à fantasia escapista.

O fascismo do século 21 não será igual ao fascismo do século 20. Dentre outras coisas, a habilidade dos grupos dominantes para controlar e manipular o espaço e para exercer controles sem precedentes sobre os veículos e os meios de comunicação de massa, e sobre a produção de imagens e mensagens simbólicas, implica que a repressão será mais seletiva (como vemos hoje no México e na Colômbia, por exemplo), e será organizada juridicamente, de modo que os encarceramentos em massa e legais vão aos poucos assumindo o lugar dos campos de concentração.

O fascismo do século XX tinha por objetivo a conquista do Estado (ou seja, do poder político), e sem mascarar seu objetivo de segregar – e mesmo exterminar – os “indesejáveis”. Foram essas as bases do fascismo italiano, do nazismo alemão, e do regime do apartheid sul-africano.

Atualmente, a exclusão se dá por meios econômicos (mesmo que não apenas por eles). Não se trata propriamente de um fenômeno novo, mas agora o Estado, aparentemente democrático, apenas “legitima” o abuso do poder econômico e, com justificativas das mais variadas, esconde os projetos segregacionistas que estão em andamento por todas as partes do mundo.

Pensaste em “Copa do Mundo” e as inúmeras remoções de famílias para “as obras de revitalização para a Copa”, amigo? Acertaste “na mosca”… A Copa e a Olimpíada servem de desculpas para a realização de uma “higienização social” nas principais metrópoles brasileiras. Afinal, “fica ruim para a imagem do Brasil” que haja gente pedindo esmola nas ruas, com um monte de turistas estrangeiros (dólares e euros!) por aqui. Mas, como diminuir a pobreza é uma tarefa longa e a Copa “é amanhã”, se achou a solução: confinar os pobres, mandá-los para bem longe dos locais onde haverá turistas. Como eles farão para chegarem a seus locais de trabalho morando cada vez mais distante deles e em um transporte público que só piora? “Que se virem”…

Traduzindo: que não se atrevam a ir a lugares “que não são seus”. Caso, por exemplo, de Higienópolis, bairro nobre de São Paulo. A expansão do metrô da cidade previa uma estação na Avenida Angélica, mas a pressão de 3.500 moradore$ fez com que o governo do Estado (responsável pelo metrô) decidisse deslocar a estação para o Pacaembu – que, com a construção do estádio do Corinthians para a Copa (pra variar…), se tornará um “elefante branco”, sem jogos de futebol.

Dentre os lamentos que foram ouvidos antes da decisão do governo Geraldo Alckmin (PSDB), um é uma pérola: o metrô “atrairia gente diferenciada”. No caso, os pobres, que teriam mais facilidade de acesso a Higienópolis. Os narizes-empinados não pensaram que, com uma estação de metrô, ficaria mais rápido (e barato) para as pessoas que trabalham no bairro mas moram longe chegarem lá. Assim como eles próprios teriam uma nova alternativa de deslocamento, fundamental em uma cidade como São Paulo, de trânsito cada vez mais caótico.

Eles não pensaram, pois uma das características do fascismo é o irracionalismo – e isso não mudou em sua versão do século XXI. O segundo parágrafo da citação lá no começo fala das campanhas ideológicas para “apassivar” as multidões, incluindo aí a publicidade que induz ao consumo desmedido (consumismo) e à ilusão do escapismo – como se vê com os condomínios fechados e os automóveis: reparem que, na propaganda, o carro sempre anda livremente, sem congestionamentos… Então, a opção é de se “isolar” num carrão e ficar três horas no trânsito, ao invés de pegar o metrô e correr o risco de sentar ao lado de “gente diferenciada”, mesmo levando muito menos tempo para chegar ao destino. (Assim, como o transporte coletivo público é “coisa de pobre”, não é prioridade de prefeituras e governos.)

Mas o leitor pode dar uma pesquisada na internet e pensar que nesse caso da “gente diferenciada” os elitistas se deram mal, já que a mudança do lugar da estação pelos citados motivos repercutiu negativamente, e assim o povo vai dar o troco nas urnas. Porém, lembremos do terceiro parágrafo da citação lá do começo: “a habilidade dos grupos dominantes para controlar e manipular o espaço e para exercer controles sem precedentes sobre os veículos e os meios de comunicação de massa“…

Documentário sobre a ocupação israelense na Palestina

Dirigido por Sufyan Omeish e Abdallah Omeish, o documentário “Occupation 101: Vozes da Maioria Silenciada” (que encontrei no Dialógico) tem 87 minutos de duração, e aborda a história da ocupação israelense na Palestina. Logo no início, fala sobre outros episódios de terrorismo de Estado, em que destaco o apartheid na África do Sul e uma fala de Nelson Mandela:

É inútil e fútil para nós continuar as conversações de paz e não-agressão contra um governo que revida e apenas ataca selvagemente as pessoas desarmadas e indefesas.

Eleições do DCE da UFRGS

Na próxima terça-feira, 20 de novembro, inicia-se o processo eleitoral do DCE da UFRGS. Quatro chapas disputam o direito de representarem os estudantes da maior universidade do Rio Grande do Sul. A votação irá até a quinta-feira, dia 22.

Não conheço bem as propostas de cada chapa, mas sei de seus posicionamentos quanto às cotas: as chapas 1, 2 e 4 são favoráveis, enquanto a 3 é contrária.

Sou crítico à adoção de cotas por critério racial: reserva de vagas por cor da pele lembra reserva de espaços como acontecia na época do apartheid na África do Sul. Prefiro o critério social, baseado na renda. Reservar vagas de acordo com a cor da pele dá a impressão de que uma pessoa, por ser negra, é menos inteligente, quando na verdade o baixo número de negros na universidade deve-se à baixa renda e conseqüentemente um pior preparo para o vestibular. Ou seja: é por causa da pobreza na qual se encontra a maioria da população negra brasileira.

Não nego que exista racismo no Brasil (e existe muito!), mas no vestibular o problema não é racial, e sim social. E só adotar cotas não adianta: tem de ser medida de emergência, pois a solução para o problema passa pela melhoria dos ensinos Fundamental e Médio, não basta só colocar gente na universidade.

Porém, não votarei na chapa 3. Pois lá certamente não há apenas pessoas com boas intenções. Lembrei do texto do Veríssimo que publiquei aqui, em agosto.

Dentre as chapas 1, 2 e 4, opto pela 1, um “voto útil”: provavelmente haverá polarização dos votos entre as chapas 1 (que representa a atual gestão) e 3. E como o sistema não é proporcional (como eu defendo), quem tiver mais votos “leva tudo”. Não dá para arriscar, então vou de 1.