Chega de Odone no Grêmio!

Renato Portaluppi deixou o Grêmio nesta quinta-feira, após o vergonhoso empate em casa com o Avaí, lanterna do Brasileirão 2011. É fato que ele vinha cometendo erros neste ano que chega à metade (e não foram poucos, como a invenção de Gabriel no meio-campo, a “superproteção” a Douglas, a insistência com Gilson, William Magrão…), mas sua saída logo agora que o time seria reforçado com alguns jogadores mais “cascudos” – afinal, Renato já se queixara da falta de experiência do grupo – deixa bem claro que o problema não era só futebol.

A atual direção não queria Renato na casamata, pelo simples fato de que ele, por direito divino, brilhava mais que qualquer dirigente. Tanto que a renovação só aconteceu porque Paulo Odone percebeu que seria hostilizado caso não mantivesse o ídolo-mor do clube, que ainda por cima tirou o Grêmio da zona do rebaixamento no ano passado e classificou para a Pré-Libertadores. Eles vinham “se aturando” até a noite de ontem. A entrevista de Odone (que não ouvi, mas soube do teor) foi a gota d’água.

Renato se foi, mas vejo isso como um “até breve”. Agora, quem devia dizer um ATÉ NUNCA MAIS era nosso presidente populista, que adora falar da Batalha dos Aflitos para mascarar a seca de grandes conquistas; que perdeu tempo tentando contratar Ronaldinho e não só deu aquele vexame com as caixas de som no gramado, como também deixou Jonas ir embora dois dias antes da estreia na Pré-Libertadores; que fez o Grêmio embarcar na canoa furada da “arena”, me fazendo temer pelo futuro da instituição (só quero saber o que vamos disputar neste estádio tão “moderno”).

Enfim, chega de Odone no Grêmio! E por favor, que aproveite e leve Antônio Vicente Martins junto…

Anúncios

Grêmio elege novo presidente no sábado

Sábado, como todos os gremistas já devem saber, o Tricolor elege novo presidente. Pela segunda vez em sua história, a escolha se dará de forma direta, com votação dos sócios.

Respondendo ao comentário de ontem do Jorge Vieira: também vou de Duda Kroeff (chapa 1). Não tanto por ele, mas sim pelos apoios do vice de futebol André Krieger (que decidiu manter Celso Roth contrariando a imensa maioria dos gremistas, inclusive este blogueiro, e agora o Grêmio luta pelo título nacional contra seu maior adversário, o STJD) e Renato Moreira. A outra chapa, que tem Antônio Vicente Martins como candidato a presidente, tem apoio do presidente Paulo “Arena” Odone.

Aliás, um outro comentário do Jorge, mas no blog de futebol do Hélio Paz, me lembrou: Martins participou da gestão de José Alberto Guerreiro (1999-2002) nos departamentos jurídico (1999) e de futebol (2000). No futebol, 2000 foi um desastre: o Grêmio assinou a maldita parceria com a ISL, que deixou o clube ainda mais endividado do que já estava. Montou um “supertime” que foi eliminado da Copa do Brasil de maneira humilhante (4 a 1 para a Portuguesa em pleno Olímpico), perdeu o Campeonato Gaúcho para o Caxias e conseguiu chegar às semifinais da Copa João Havelange mas caiu diante do São Caetano, em casa.