Quem é o maior “perigo mundial”?

Até 1979, o Irã era uma monarquia pró-Ocidente. Com a Revolução Islâmica, “o jogo virou”, e o país passou a ser visto como “ameaça” pelos antigos aliados.

Então entrou em cena Saddam Hussein, ditador do Iraque. Armado pelos Estados Unidos, invadiu o Irã e deu início a uma longa guerra (1980-1988), que deixou mais de um milhão de vítimas e acabou “empatada”. Saddam usou armas químicas e biológicas contra iranianos e curdos.

Com a economia debilitada após o conflito, o Iraque, rico em petróleo, desejava que o valor do barril fosse aumentado, o que obviamente não era desejado pelo Ocidente. Em agosto de 1990, Saddam Hussein ordenou a invasão e anexação do Kuwait, riquíssimo em petróleo, que assim como a Arábia Saudita era aliado dos países ocidentais e não aumentava o preço do barril. Foi o que motivou a Guerra do Golfo de 1991, após a qual o Iraque sofreu sérias sanções econômicas, e Saddam foi acusado de possuir “armas de destruição em massa” – pelos países que mais as possuem e, pasmem, que o armaram e o apoiavam quando as utilizou.

Ao longo da década de 1990, as acusações ao Iraque quanto à posse de “armas de destruição em massa” continuaram. O país seria novamente bombardeado em 1996 e 1998, quando o presidente estadunidense Bill Clinton precisava “agradar à opinião pública” nos Estados Unidos: na primeira oportunidade, Clinton concorria à reeleição; na segunda, corria risco de impeachment por conta de um escândalo sexual.

Após os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001, o presidente George W. Bush incluiu o Iraque no “eixo do mal”, lista dos países contrários aos interesses dos Estados Unidos, sob o pretexto de “apoiar o terrorismo”. Ao longo de 2002 procurou, sem sucesso, convencer o mundo inteiro de que Saddam Hussein era uma ameaça igual ou maior que Osama Bin Laden, que o mundo inteiro corria perigo.

Saddam decidiu permitir a visita de inspetores da ONU, em busca das tais “armas de destruição em massa” que supostamente o Iraque teria. Nada foi encontrado. Já Bush e sua claque juravam de pés juntos que Saddam possuia sim as tais armas, para justificarem a guerra. Ignoraram a ONU e os protestos em todos os cantos do mundo, e em 20 de março de 2003 iniciaram a invasão do Iraque.

Seis anos depois, nenhuma “arma de destruição em massa” foi utilizada contra o invasor, nem sequer encontrada. Sinal de que Saddam não tinha mais nenhuma. O país foi loteado entre empresas privadas que auxiliariam na “reconstrução”: a “liberdade” de Bush destruiu o Iraque, para permitir a entrada das grandes corporações “de bem” lá.

Saddam Hussein foi capturado no final de 2003, julgado e condenado à morte, sendo executado em 30 de dezembro de 2006. Foi um julgamento muito longe de ser justo: embora Saddam tenha sido um ditador cruel, deveria ter sido submetido a um tribunal neutro, fora do Iraque ocupado por forças estrangeiras.

————

Por que lembrei tudo isso? Para alertar do perigo que são esses coros de “fulano é um perigo regional/mundial”. Afinal, eles partem de onde está o verdadeiro perigo.

A “bola da vez” é Hugo Chávez. Tudo bem, não é de hoje que ele vem sendo tratado como um “monstro ameaçador”, mas agora a campanha reacionária parece estar se intensificando, com essas tais “marchas” contra ele, orquestradas pelo governo da Colômbia para ocorrerem em vários países.

Mas são milhões assistindo televisão, que apenas fala mal de Chávez sem contraponto. Muitas pessoas que podem acabar incorporando o discurso reacionário sem se darem conta disso, que nem acontece em relação às medidas tipicamente nazistas.

Ora, quem acusa Chávez?

  • Governo dos Estados Unidos. O mesmo que é contra certos países terem armas de destruição em massa, mas as tem aos montes. Assim como no caso do Iraque, o interesse não é a paz mundial ou a democracia: “é o petróleo, estúpido!”. Barack Obama pode até parecer menos ameaçador que George W. Bush, mas é presidente dos Estados Unidos. Como já foi lembrado, Bill Clinton (do mesmo Partido Democrata de Obama) bombardeou o Iraque quando a coisa tava feia em casa, no final de 1998;
  • Governo da Colômbia. O presidente Álvaro Uribe acusa Chávez de envolvimento com as FARC, que por sua vez são acusadas de tráfico de drogas. Porém, o próprio Uribe é acusado de ser um grande narcotraficante. Demonstra não respeitar a soberania dos países vizinhos, quando ainda defende a ação militar que violou a fronteira do Equador em março de 2008, para matar guerrilheiros das FARC;
  • Mídia corporativa. A mesma que apoiou o golpe de 1964 no Brasil e o recente em Honduras, “em defesa da democracia”, acusa Chávez de ser “ditador”. Chiou quando foi aprovada a emenda constitucional na Venezuela que acabou com o limite de mandatos consecutivos – tanto para Chávez quanto para governadores e prefeitos, inclusive os oposicionistas – mas não fez o mesmo agora que o presidente colombiano Álvaro Uribe também poderá concorrer a mais um mandato. E a mesma que chorou a não-renovação da concessão da RCTV em 2007 apoiou os golpistas que fecharam o canal público venezuelano por dois dias em abril de 2002, e não divulgou nada quando o povo saiu às ruas para pedir a volta de Chávez.

Diante de acusadores assim, é possível acreditar que o perigo é Hugo Chávez? Sim, desde que não se divulgue quem está por trás da campanha contra o presidente venezuelano.

Chávez nunca ordenou ao exército da Venezuela que violasse a soberania de outros países, nem sequer pediu à Rússia ou outro país que não se dê lá muito bem com os Estados Unidos para instalar bases militares em território venezuelano.

Anúncios

Estranho resgate

Apesar de não ter postado nos últimos dias devido aos últimos trabalhos do final de semestre na faculdade, não deixei de dar uma passada nos blogs que costumo visitar diariamente. E claro, também acompanhei a repercussão a respeito do resgate da ex-candidata à presidência da Colômbia, Ingrid Betancourt, que havia sido seqüestrada pelas FARC em 2002.

Estranho esse resgate. Acontece justamente no momento em que a Justiça colombiana questiona a eleição que deu ao presidente Álvaro Uribe um novo mandato, em 2006. Sem contar que ele já pensa na possibilidade de concorrer a um terceiro mandato.

Mas não me é nem um pouco esquisito não ver nossos (de)formadores de opinião afirmarem que Álvaro Uribe quer se tornar um ditador, da mesma forma que atacavam o Chávez por querer o mesmo na Venezuela.

Sempre gosto de lembrar Pierre Bourdieu, que escreveu um artigo cujo título é “A opinião pública não existe”. O uso de tal expressão dá a falsa idéia de existir um consenso a respeito de um tema. Como o próprio Bourdieu diz, “O equivalente de ‘Deus está conosco’ é, hoje em dia, ‘a opinião pública está conosco'” – ou seja, trata-se de uma nova forma de absolutismo. Utilizar a “opinião pública” como justificativa para uma ação é uma maneira extremamente eficaz de obter apoio, como mostra, mais uma vez, Bourdieu, mas em trecho do excelente “A Economia das Trocas Lingüísticas”:

A especificidade do discurso de autoridade (curso, sermão etc.) reside no fato de que não basta que ele seja compreendido (em alguns casos, ele pode inclusive não ser compreendido sem perder seu poder), é preciso que ele seja reconhecido enquanto tal para que possa exercer seu efeito próprio. Tal reconhecimento (fazendo-se ou não acompanhar pela compreensão) somente tem lugar como se fora algo evidente sob determinadas condições, as mesmas que definem o uso legítimo: tal uso deve ser pronunciado pela pessoa autorizada a fazê-lo, o detentor do cetro (skeptron), conhecido e reconhecido pela sua habilidade e também apto a produzir essa classe particular de discursos, seja sacerdote, professor, poeta etc.; deve ser pronunciado numa situação legítima, ou seja, perante receptores legítimos (não se pode ler um poema dadaísta numa reunião do conselho de ministros), devendo enfim ser enunciado nas formas (sintáticas, fonéticas etc.) legítimas.¹

Pois bem: a mídia é vista como uma autoridade pela maioria das pessoas. O que lhe dá esse caráter é o fato de sempre declarar-se – com raras exceções – acima dos partidos e das ideologias, conforme já lembrei em uma postagem em abril. Boa parte das pessoas, que não foi ensinada a pensar, na hora do noticiário quer “tudo pronto”, sem precisar refletir sobre os assuntos. Quer visão única, “definitiva”. Por isso a mídia corporativa, “apartidária”, é tão eficaz.

Pois bem: e o que isso tem a ver com Betancourt e Uribe? Tudo!

Ontem e hoje, o resgate da ex-senadora colombiana é capa da Zero Hora. E ainda por cima as matérias dos jornais afirmam que ela teria dito “se o povo quer, por que não?” a respeito da possibilidade de um terceiro mandato para Uribe.

Será que o povo realmente quer? Ou é interesse de alguns poucos, porém influentes?

———-

¹ BOURDIEU, Pierre. A Economia das Trocas Lingüísticas. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1996, p. 91.

Para quem tem muita esperança de mudança com Obama

Se eleito presidente, o democrata Barack Obama afirma que a Colômbia terá direito “de atacar terroristas que busquem santuários além de suas fronteiras”. Ou seja: Álvaro Uribe não sofrerá recriminações de Obama caso as tropas colombianas invadam território estrangeiro – seja peruano, equatoriano, venezuelano ou brasileiro – para atacar as FARC.

Leia mais no Blog das Américas.

O que não se fala sobre Bogotá

Quando aconteceu uma manifestação contra as FARC em Bogotá, nossa mídia noticiou, é claro. Mas a passeata de quinta-feira passada, contra o governo de Álvaro Uribe, não mereceu nenhuma notinha nos jornais daqui. Entre os participantes estava até mesmo o prefeito da cidade, Samuel Moreno, do partido oposicionista Pólo Democrático Alternativo.

Bogotá também não é citada pela nossa mídia como uma cidade em que o poder público passou a valorizar mais as pessoas do que os carros, como mostra a postagem do blog Apocalipse Motorizado. Entendível: as empresas automobilísticas enchem os cofres das corporações de mídia graças aos anúncios em jornais e emissoras de rádio e televisão.

Na capital da Colômbia as ruas deixaram de ser simplesmente espaço de fluxo de veículos, e voltaram a ser ponto de encontro, como acontecia antigamente em Porto Alegre na Rua da Praia. Foram construídos muitos quilômetros de ciclovias pela cidade. Em muitas ruas o trânsito de carros foi proibido, e o movimento de pessoas – a pé ou de bicicleta – mantém-se alto. O que contribuiu para diminuir a violência: não foi o terrorismo de Estado praticado por Uribe que fez caírem os índices de criminalidade em Bogotá, mas sim a retomada das ruas pela população.

E conforme já falei em 20 de novembro de 2007, se muito carro na rua fosse segurança, o entorno da Redenção seria a área mais segura de Porto Alegre, já que os carros passam aos montes nas avenidas Osvaldo Aranha e João Pessoa – e o que acontece é o contrário, é preciso muita coragem para se arriscar a caminhar sozinho por ali durante a noite.

Leia mais sobre Bogotá no Apocalipse Motorizado, e assista ao documentário produzido sobre a cidade – o vídeo está em inglês, mas a tradução de alguns trechos está na postagem do Apocalipse.

Confira também uma entrevista (com legendas em português) com o ex-prefeito de Bogotá Enrique Peñalosa, que começou a implementar as mudanças na cidade. Em um trecho ele lembra: temos cidades desde aproximadamente 5 mil anos atrás, e carros há cerca de 80 anos, o que quer dizer que durante a maior parte do tempo as ruas das cidades eram feitas para as pessoas, e não para os carros como acontece atualmente.

Quem sabe não exigirmos do prefeito que elegeremos em outubro que comprometa-se a fazer de Porto Alegre uma cidade menos motorizada e mais humana?

E se fosse no Brasil?

Na manhã de hoje, a pesquisa interativa do programa “Polêmica” da Rádio Gaúcha perguntava “quem tem razão, Colômbia ou Equador e Venezuela?” aos ouvintes. E o resultado foi o seguinte: 88% (sim, 88%!) diziam que a Colômbia estava certa em violar a soberania do Equador para atacar os guerrilheiros das FARC. Só 12% deram razão a Equador e Venezuela.

Dou toda razão ao presidente equatoriano Rafael Correa em protestar veementemente contra a invasão a seu território. Já Hugo Chávez, eu acho que era melhor ele se manter “na dele”: uma eventual guerra cairia do céu para seu maior inimigo, George W. Bush, que provavelmente daria apoio militar a seu aliado Álvaro Uribe.

Mas o que eu me questiono é: se os militares colombianos invadissem não o Equador, e sim o Brasil, para atacar as FARC, será que estes 88% favoráveis à Colômbia da manhã de hoje apoiariam o ato?