Previsão de “estiagem” no Cão

Ontem à noite, no Twitter, o Idelber Avelar comentou sobre o fim do blog do Pedro Doria e perguntou “o que está acontecendo com os blogs?” – afinal, é mais um a anunciar o encerramento. No dia 6 de agosto, A Nova Corja teve seu último post. E o próprio Idelber anunciou que  seu ótimo blog O Biscoito Fino e a Massa entrou em “hibernação” por tempo indeterminado, já que nos próximos meses ele se dedicará a um trabalho acadêmico, que impossibilitará a atualização do blog e a resposta a comentários.

Aqui no Cão, os próximos meses deverão ter uma significativa redução das postagens – assim como no caso do Idelber, os motivos são acadêmicos: minha monografia de conclusão do curso de História na UFRGS. Não coloco o blog em “hibernação” por temer não cumprir a “promessa”. Ainda mais que há assuntos interessantes a serem tratados de hoje até janeiro – como os 20 anos da queda do Muro de Berlim, em novembro, fato que merece uma reflexão.

Mas a prioridade, será o meu trabalho de conclusão. Tem de ser prioridade. Até porque o ganho será não apenas meu, mas também dos próprios leitores do Cão, já que a monografia – depois de pronta, claro – certamente será tema de vários posts. É sobre futebol, mas não será simplesmente sobre o esporte, mas sim, sobre como ele pode refletir outros aspectos sociais. Ainda mais num país como o Brasil.

(A propósito, dois anos atrás cursei um seminário sobre História Social do Futebol no Brasil ministrado pelo professor Cesar Guazzelli, meu orientador no TCC. O trabalho final – que rendeu um post – tratou sobre a “trégua” na rivalidade Gre-Nal no primeiro semestre de 1967. Sinceramente, acho que consegui ser imparcial, apesar de não acreditar na existência dela.)

Talvez eu poste novamente alguns textos antigos que sejam interessantes de serem relidos – afinal, é só “copiar e colar” – para que o blog não fique muito parado, principalmente de novembro ao início de janeiro, quando finalizarei e revisarei a monografia, além de preparar a apresentação para a banca. E se for o caso de “congelar” o blog, farei “anúncio oficial”.

Anúncios

Solidariedade a Milton Ribeiro

Mais um processo contra blogueiro. Prova de que essa mídia sem credibilidade realmente incomoda.

Li no blog do Milton Ribeiro que ele está sendo processado por Leticia Wierzchowski, autora de A casa das sete mulheres (que virou minissérie na Globo, e não por acaso a mais adorada pelos bovinóides, já que fala sobre a “Revolução” Farroupilha). A ação por “danos morais” deve-se a um post no blog dele, publicado em 11 de fevereiro deste ano.

Não é o primeiro caso de processo movido a partir de posts em um blog. O pessoal d’A Nova Corja que o diga, com três: Banrisul, Políbio Braga e Felipe Vieira. Ainda no Rio Grande do Sul, temos também o caso do professor Wladimir Ungaretti, proibido por ordem judicial de se manifestar a respeito do “fotojornalismo” da Zero Hora.

E é impressionante qualquer coisinha acaba em processo. Afinal, tudo se resume a intimidar com base no poder econômico. Mesmo que por motivos ridículos.

Processar alguém por besteira, a meu ver serve para dar ainda mais razão ao processado, e o efeito pode ser o inverso ao desejado – ou seja, a exigência de reparação ao “dano moral” apenas serve para deixar o processante realmente “mal na foto”.

Pois, no caso da Leticia Wierzchowski, nunca li um livro dela – e por isso me abstenho de criticá-los. Mas com este ridículo processo contra o Milton Ribeiro, a autora ganhou tanta antipatia de minha parte que jamais pretendo ler qualquer coisa escrita por ela. Nem sequer para fazer críticas. E ainda recomendo o mesmo a todos os meus amigos, leitores e amigos-leitores.

Parece piada de 1º de abril, mas não é

Semana passada escrevi aqui no blog sobre o processo movido pelo jornalista e âncora da Band-RS, Felipe Vieira, contra o pessoal do blog A Nova Corja. O motivo da ação judicial é um artigo postado em 25 de junho de 2008 – vale destacar que, não fosse o processo, eu nem lembraria que Felipe Vieira fora citado naquele post.

E agora, o processo tem um capítulo que mais parece piada de 1º de abril… As notícias a respeito foram divulgadas nos dias 27 e 30 de março – logo, sem chances de serem gozação (apesar de A Nova Corja tratar a política de uma forma bastante irreverente).

A ação criminal se dirige contra Walter Valdevino (que apesar de não integrar mais A Nova Corja, é responsável pelo domínio do blog), Rodrigo Alvares (autor do post que deu origem ao processo), Leandro Demori (que não faz mais parte do blog, mas pertencia à equipe em junho de 2008), Jones Rossi e Mario Camera (que também não consta mais da lista de membros da equipe).

Acontece que Felipe Vieira e seus advogados, entraram com processo contra o Jones Rossi e o Mario Camera errados! Isso mesmo!

Agora, os advogados de Felipe Vieira pediram para a Justiça encontrar não apenas o Jones Rossi e o Mario Camera certos, como também os endereços de todos os processados. Sim, estavam todos errados…

Bovinóides, a vergonha do Rio Grande do Sul

O blog A Nova Corja refere-se ao Rio Grande do Sul como “Bovinão”, e aos gaúchos como “bovinóides”. O uso de tais termos é claramente para satirizar a apatia política de boa parte da população, e eu não me sinto nada ofendido. Como diz o ditado, “não me serve o chapéu”. Agora, para os legítimos bovinóides (cuja maioria é formada por pessoas da classe mérdia), ele serve perfeitamente – e são eles que virão me xingar, mandar eu ir embora, dentre outros impropérios.

Passeata saiu do Colégio Julio de Castilhos e foi até a frente do Palácio Piratini

Passeata saiu do Colégio Julio de Castilhos e foi até a frente do Palácio Piratini

Pode até parecer contraditório eu falar em “apatia política” no dia em que tivemos a volta dos caras-pintadas, desta vez com as cores da bandeira do Rio Grande do Sul, que protestaram contra o (des)governo Yeda. Mas não é, se levarmos em conta os comentários feitos na matéria publicada na página da Zero Hora.

Muitos comentaristas declaram apoio aos estudantes. Mas também há vários comentários de bovinóides, que falam idiotices do tipo “estudante tem que estudar”, “bando de alienados”, “sustentados pelos pais”, e a maior de todas: “massa de manobra dos petralhas”.

Ora, é justamente por estudarem que eles entendem que as coisas não podem continuar do jeito que estão, PORRA! Ver bovinóides – os mais legítimos alienados – chamarem assim os estudantes por protestarem contra o (des)governo Yeda chega a ser surreal. E o mais estranho, é quando eles dizem que só “quem trabalha” tem direito a protestar (típico argumento de gente de classe mérdia): pois são justamente eles, “trabalhadores”, que elegeram a Yeda e agora, por não terem argumentos para defendê-la, atacam de tudo que é jeito quem protesta contra ela.

Mas a mais surreal de todas, sem dúvida alguma, é chamarem os estudantes de “massa de manobra dos petralhas”. É uma velha tática da direita: quem se mobiliza sempre é “massa de manobra” (estranho que os bovinóides acreditem e repitam quase ipsis litteris o que diz a “grande” mídia e não se achem “massa de manobra” dela). E ainda mais tosco é falar em “petralhas”, já que o partido que deixou bem clara sua posição contra a Yeda é o PSOL, totalmente crítico ao PT e ao governo Lula. Como eu já havia escrito em novembro passado, isso é um sintoma da “burrice anti-petista”, em que o acometido vê “PT” até onde ele não está.

Processos? Tem mais…

Não é só o Wladimir Ungaretti que tentam impedir de falar.

O blog de Política A Nova Corja, que trata do assunto de uma maneira bastante irreverente e bem-humorada, já tem uma certa “coleção” de processos. No final de junho do ano passado, Políbio Braga decidiu processar Walter Valdevino (um dos autores e responsável pelo domínio do blog) devido a esse post. Isso depois de ameaçar Rodrigo Alvares (um dos autores do blog) dizendo que ia “achá-lo de qualquer jeito” – o que rendeu uma hilária série de posts sobre o suposto paradeiro de Alvares.

O mesmo post que motivou a ação de Políbio Braga também levou Felipe Vieira a processar A Nova Corja – desta vez o processo é contra todos os atuais integrantes do blog, mesmo os que não faziam parte da equipe em junho de 2008. Independente do resultado, é um tiro no pé de Vieira: eu nem lembrava que ele havia sido citado naquele texto. Aliás, as consideradas “injúrias” passariam batidas pela maioria esmagadora das pessoas, não fosse o processo…

Vale lembrar que o blog também sofre processo do Banrisul, que corre em segredo de justiça – ou seja, nada pode ser comentado a respeito do andamento do processo.

E em todos os casos, não vimos a “grande mídia” reclamar da “perseguição a jornalistas”.

Teremos a reeleição de uma nulidade?

Quem disse isso não é “petista”, e sim o Rodrigo Alvares, do blog A Nova Corja:

Não sou a favor de ninguém, mas vocês vão mesmo reeleger essa nulidade como prefeito da capital bovina, apesar de toda a catrefa que está ao lado dele? Deviam se adiantar e votar antecipadamente pela reeleição da desgovernada, para adiantar a castração.

“Nova Corja comunista!”

Claro que A Nova Corja está muito longe de ser de esquerda. Mas o título da postagem é o que os direitosos de plantão pensariam ao ler os dois artigos do Marcelo Träsel que indico: o primeiro é sobre o cada vez mais caótico trânsito de Porto Alegre, e o segundo trata do projeto arquitetônico previsto para a área do Estaleiro Só – cuja postagem que escrevi fez aparecer até uma “viúva da Ford” por aqui.

Para os direitosos de plantão, os dois textos do Marcelo Träsel são “coisa de comunista”. E olha que o próprio Träsel diz abertamente ser defensor do capitalismo.

Vale muito a pena ler os comentários ao artigos do Träsel – mesmo os de direitosos, porque fazem rir. Em termos de boas idéias, destaco no texto sobre a orla o de uma leitora que defende a revitalização mas sem obra faraônica como o projeto “Pontal do Estaleiro” prevê: “pavimenta, planta umas árvores, põe uma iluminação, uma ciclovia, um buteco pra pegar uma cerveja e um xis e deu!”. Tão simples, mas tão complicado para tanta gente…

2008, mas parece 1984

Hoje, o Senado irá votar a proposta do senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG) de projeto para combater os crimes feitos pela Internet. Se aprovado, o texto será enviado à Câmara de Deputados.

Porém, o projeto é mais do que contra o crime: é também uma ameaça à privacidade na rede, visto que obriga os provedores a guardar todos os dados de acesso dos usuários por três anos. E mais: os provedores são também obrigados a informar às autoridades quaisquer indícios de crimes. E “crime” poderá ser a troca de arquivos “sem autorização do autor”.

Já havia colocado o banner ali do lado com o link para a petição em favor do veto ao projeto, e aproveito para reforçar o pedido para que todos assinem. Façamos isso antes de nossos “representantes” acharem que queremos ser parte do enredo da obra de George Orwell.

———-

O Marcelo Träsel d’A Nova Corja enviou e-mail a todos os senadores criticando o projeto do senador Azeredo. Recebeu uma resposta da assessoria deste, dizendo que as críticas são feitas por “pessoas de má-fé”. Assim como o Träsel, eu me sentiria feliz ao ser considerado “pessoa de má-fé” por um senador envolvido com o Valerioduto.

Os últimos dias de Yeda

Genial paródia de trechos do filme “A Queda”, trocando Hitler por Yeda… O vídeo é obra do Marcelo Träsel, do blog A Nova Corja, que achei lá no Palanque do Blackão – aliás, vale a pena também ler a postagem do Hélio.