Seis anos de Cão Uivador

O dia 14 de maio de 2007 foi uma segunda-feira, se não me engano chuvosa e fria. Ou seja, perfeita para criar um novo blog: não tenho o pavor de segunda-feira que tanta gente tem (ruim mesmo é o domingo à noite), e também não considero sol e calor como “tempo bom” (até gosto de sol, mas combinado com frio).

Naquela segunda-feira, o dia 14 de maio de 2013 pertencia única e exclusivamente aos mais variados tipos de especulação – uma delas, não confirmada, era a de que o Cão Uivador teria bastante poesia, visto que assim começou. Falar em “seis anos” era pensar no passado e voltando esse tempo, estaríamos em 2001, que naquela época parecia “próximo”, mas muitas coisas tinham mudado nos seis anos que antecederam a criação do Cão: em 2001 o Grêmio ainda não tinha entrado na atual “seca” de títulos e eu nem pensava que algo assim pudesse acontecer, Fernando Henrique Cardoso era presidente do Brasil e a eleição de Lula no ano seguinte me parecia algo quase utópico (por pior que fosse o governo FHC), eu ainda pensava que seria físico nuclear etc. Traduzindo: eu não tinha a menor ideia do que seria o ano de 2007.

Portanto, prefiro me abster de quaisquer previsões para 14 de maio de 2019, dia em que, se der tudo certo, serão comemorados os 12 anos do Cão Uivador. Porém, é impossível não pensar que, confirmada a celebração do 12º aniversário, lembrarei de 2007 e pensarei em 12 anos antes: 1995, um dos melhores anos da minha vida, e quando eu ainda pensava que em 2007 seria médico…

Porém, dentre várias especulações para o futuro uma é certa, com base no passado: se o Cão chegou até aqui, isso se deve não apenas a quem o atualiza, mas principalmente a quem lê o que aqui é publicado. Os textos refletem a minha opinião, mas ela não se forma “do nada”. Meu ponto de vista, assim como o de qualquer pessoa, se baseia em concordâncias e também em discordâncias: toda opinião bem fundamentada e respeitosa é bem-vinda, seja favorável ou contrária. E mesmo quem não comenta já me deixa satisfeito com a visita, pois sei que com isso colaborei de alguma maneira para alguém fundamentar sua opinião – e a mesma pessoa poderá retornar posteriormente e deixar um comentário que também influenciará meu ponto de vista.

Por isso, a cada 14 de maio sempre faço questão de explicitar meu agradecimento a todos os que leem o que escrevo, independentemente de comentarem ou não. Muito obrigado!

Cão quinquenal

Em 6 de maio de 2007, o Grêmio conquistou seu 35º título estadual ao bater o Juventude por 4 a 1 no Olímpico. O técnico Mano Menezes escalou o Tricolor assim: Saja; Gavilán, William, Teco e Lúcio (Bruno Teles); Edmílson, Sandro Goiano, Tcheco e Diego Souza; Carlos Eduardo (Ramón) e Tuta.

Um mês e meio depois, o Grêmio precisava no mínimo de uma vitória por três gols de diferença sobre o Boca Juniors para conquistar pela terceira vez a Taça Libertadores da América. Desta vez não deu: 2 a 0 para os argentinos, com grande atuação de Riquelme. Mano Menezes levou a campo o seguinte time: Saja; Patrício, William, Teco (Schiavi) e Lúcio; Gavilán, Lucas, Tcheco (Amoroso) e Diego Souza; Tuta (Éverton) e Carlos Eduardo.

A diferença entre as duas decisões não foi apenas o resultado. No dia seguinte à derrota para o Boca, teve texto aqui no Cão Uivador. Bem diferente da vitória sobre o Juventude: simplesmente não tinha Cão para comemorar o título.

Tudo porque o Cão Uivador só “nasceu” no dia 14 de maio de 2007, oito dias após a vitória gremista. Não que um título estadual signifique muita coisa (a conquista de 2010 nem ganhou texto comemorativo), mas dá uma amostra do quão escassas tem sido as alegrias gremistas nestes últimos tempos (o que vem desde bem antes do início das atividades do Cão).

Em cinco anos, embora pareça pouco tempo, muita coisa muda. Tanto no próprio blog – ganhou ou perdeu leitores, mudou leiaute, textos melhoraram ou pioraram (depende do ponto de vista de cada um, neste caso) etc. – como em outros aspectos. Se o Grêmio parece estar na mesma (se não pior), houve mudanças em âmbito pessoal, local, regional, nacional e mundial (aí estão os protestos globais que vêm desde o ano passado para não me deixarem mentir).

Neste momento em que penso no que mudou de 2007 para cá, algo interessante a se fazer também é olhar para o futuro. Imaginar como as coisas poderão estar daqui a mais cinco anos – torcendo para que estejam melhores, tornando realidade algumas utopias como a justiça social e a solidariedade.

Aliás, chegará o Cão até lá? Farei o possível para que sim – e desta forma teremos uma década de blog em 14 de maio de 2017. Porém, como já falei, muitas coisas acontecem em meia década.

Inclusive, não foram poucas as vezes em que cheguei a cogitar o fim do Cão. E se isso não aconteceu, só se deve a uma razão: tu que estás aí lendo este texto. Afinal, quando alguém se expressa das mais diversas formas (fala, escrita etc.), só o faz por um motivo: quer dizer algo a outras pessoas. Um blog precisa de alguém que escreva, mas ainda mais de alguém que leia (e que não seja a mesma pessoa que escreve).

É por isso que faço questão de, a cada aniversário do Cão, deixar explícitos meus mais sinceros agradecimentos a todos os leitores, que concordam, discordam, leem frequentemente ou esporadicamente o blog. São vocês – mais do que o blogueiro – que o mantém vivo. Um grande abraço, e muito obrigado!

Faltam mil dias para a Copa. E o que há de bom nisso?

Hoje faltam exatos mil dias para a abertura da Copa do Mundo do Brasil, marcada para o dia 12 de junho de 2014. Em menos de três anos a bola vai rolar, a vida no país será uma maravilha, todos felizes com o Mundial… Mas também em menos de três anos a Copa de 2014 acaba, no dia 13 de julho.

É incrível: foi no já distante 30 de outubro de 2007 que o Brasil foi oficialmente designado para sediar a Copa do Mundo de 2014. Não foi “escolhido”, já que a FIFA tinha decidido que o torneio seria realizado na América do Sul, e o Brasil era o único candidato.

Ou seja: já faz mais tempo que o Brasil foi oficializado como sede da Copa, do que falta para a bola rolar. Eram quase sete anos para 2014, tempo de sobra para construir estádios, fazer obras de mobilidade urbana… Obviamente eu nunca me iludi achando que teríamos uma verdadeira melhora na qualidade de vida (como provam as emergências lotadas nos hospitais), mas imaginava que, com um prazo tão amplo, alguma coisa já estivesse pronta quase quatro anos após a designação do Brasil como sede.

Mas também não dá para ficar surpreso com tantos atrasos. Afinal, se a preparação começasse já em 2007, não haveria desculpa para passar por cima das leis ou para se dispensar licitação: seria preciso fazer as coisas direitinho, de acordo com a legislação. Mas faltam só mil dias e nada está pronto, se continuar assim a Copa vai embora e o Brasil vai dar “vexame”, então vale tudo: salve-se quem puder, dê-lhe superfaturamento em obras, dane-se o meio ambiente, os pobres “que estão impedindo o progresso” etc. Meia dúzia de grandes empreiteiros ganha e o povo brasileiro perde.

2011, um desastre

Ainda estou tentando entender o que aconteceu para que o Cão Uivador venha tendo tão poucos acessos em 2011. Uma comparação com 2010 é o suficiente para deixar bem claro o verdadeiro desastre que está sendo este ano, em matéria de visitas.

No ano inteiro de 2010, o Cão teve 83.492 visitas, média de aproximadamente 229 por dia. Só em junho foram 10.842 (média diária de aproximadamente 361), graças à Copa do Mundo: às vésperas da abertura, o texto escrito em dezembro de 2009 no qual eu dava meus primeiros palpites sobre o Mundial atraiu muita gente apaixonada por futebol, que preparava suas apostas nos diversos bolões promovidos na época (se ferraram bonito, né?). Tanto que ele continua a ser o que teve mais visualizações na história do blog, mesmo que depois da Copa tenha sido praticamente esquecido.

Já em 2011, até hoje (23 de julho), o número de visitas ainda nem se aproximou da metade do verificado ano passado, mesmo que mais de meio ano já tenha passado. A média diária de 170 acessos é a pior desde 2007, quando o Cão ainda era um “filhote”.

Afinal, por que será que caiu tanto o número de acessos? Foram os textos que pioraram? As pessoas estão com menos tempo para ler? Ou, pior ainda, com menos vontade de ler qualquer coisa que tenha mais de 140 caracteres?

————

E isso que nem falei do que está sendo este mês. Mas, deixemos julho acabar…

O Cão em 2010

O WordPress.com enviou aos blogueiros que utilizam a plataforma algumas estatísticas sobre o ano de 2010 em cada um deles. Achei interessante compartilhar as do Cão com os leitores.

O que achei mais curioso (além dos termos digitados nos sites de busca e que resultaram em visitas ao blog), é que dos cinco textos mais lidos em 2010, nenhum foi postado no ano que recém acabou… O mais novo – que é também o mais lido – é de dezembro de 2009.

Aliás, o fato de haver dois textos sobre futebol entre os cinco só me faz ter mais certeza: o esporte bretão dá audiência… Ainda mais em ano de Copa do Mundo – o mais lido é justamente o texto em que dou palpites sobre o Mundial. Foi graças a ele que o blog atingiu o recorde de visitas em um só dia – foi em 10 de junho, véspera da abertura da Copa.

A Copa do Mundo também ajudou a elevar a audiência do 5º texto, sobre os hinos nacionais (mais especificamente, sobre o hino da Rússia) – que é também o mais velho dos cinco, postado em setembro de 2007.

————

Os duendes das estatísticas do WordPress.com analisaram o desempenho deste blog em 2010 e apresentam-lhe aqui um resumo de alto nível da saúde do seu blog:

Healthy blog!

O Blog-Health-o-Meter™ indica: Uau.

Achamos que foi fantástico!

Números apetitosos

Imagem de destaqueO Museu do Louvre é visitado por 8,5 milhões de pessoas todos os anos. Este blog foi visitado cerca de 82,000 vezes em 2010, o que quer dizer que se fosse uma exposição no Louvre, eram precisos 4 dias para que as mesmas pessoas a vissem.

Em 2010, escreveu 260 novos artigos, aumentando o arquivo total do seu blog para 1023 artigos. Fez upload de 75 imagens, ocupando um total de 8mb. Isso equivale a cerca de 1 imagens por semana.

O seu dia mais activo do ano foi 10 de junho com 977 visitas. O artigo mais popular desse dia foi Meus primeiros palpites para a Copa 2010.

De onde vieram?

Os sites que mais tráfego lhe enviaram em 2010 foram cloacanews.blogspot.com, classemediawayoflife.blogspot.com, twitter.com, blogdokayser.blogspot.com e google.com.br

Alguns visitantes vieram dos motores de busca, sobretudo por cao uivador, gremio, palpites copa do mundo 2010, transgenicos e leite

Atracções em 2010

Estes são os artigos e páginas mais visitados em 2010.

1

Meus primeiros palpites para a Copa 2010 dezembro, 2009
10 comentários

2

Documentário: “Criança, a alma do negócio” março, 2009
10 comentários

3

Por que o Corinthians é tão detestado? dezembro, 2007
70 comentários

4

Diziam que os transgênicos eram tão bons… maio, 2008
1 comentário

5

O hino nacional mais bonito setembro, 2007
15 comentários

Afinal, quando o GRÊMIO terá uma camisa oficial que lembre o GRÊMIO?

Em 2005, a Puma passou a ser fornecedora de material esportivo do Grêmio. Seu primeiro modelo de camisa agradou à maioria dos torcedores, por ser relativamente próximo ao tradicional – camisa tricolor, sem invenções e com equilíbrio entre azul e preto, as cores que predominam no manto sagrado gremista (além do branco, nas listras mais estreitas).

A primeira invenção que desagradou a muitos gremistas – inclusive a este que vos escreve – foi a camisa de 2006. A camisa tricolor tinha uma manga azul e outra preta – bizarrice que se acentuava quando o Grêmio vestia mangas longas.

O modelo de 2007 foi melhor – ou, para ser mais exato, menos pior. Acabaram-se as mangas de cores diferentes, mas as listras azuis ficaram mais largas que as pretas (o que se repetirá em 2010, mas falo disso adiante). As duas mangas passaram a ser azuis.

A camisa de 2008 seria a melhor de todas as da Puma, não fosse por um detalhe. As listras azuis e pretas tinham praticamente a mesma largura e também preenchiam as mangas – modelo que lembrava as camisas tradicionais. Porém, o padrão listrado era interrompido nas costas, abaixo do número, em que o tecido era todo azul. Quase imperceptível quando os jogadores colocam a camisa para dentro do calção, é verdade; mas muitas vezes eles preferem deixar a camisa para fora, e os torcedores também costumam fazer o mesmo. Assim, o modelo 2008 não supera 2005.

O ano de 2009 foi marcado por três modelos: dois especiais para a Libertadores, e o terceiro para o Campeonato Brasileiro. A camisa tricolor para a disputa da Libertadores foi uma das mais bonitas que o Grêmio teve nos últimos anos: o único porém foram os diferentes tons de azul adotados para a camisa e o distintivo gremista; ainda assim, “passou”. O uniforme número 2 para La Copa também agradou, com uma camisa de listras azuis e brancas na horizontal, inspirada no uniforme de Los Pumas, a Seleção Argentina de Rugby. Já a tricolor do Brasileirão foi uma das mais criticadas dos últimos anos, devido ao “babador” que apresentava – aquela parte azul próxima à gola, que interrompia o padrão listrado do restante da camisa.

————

Quando se anunciou que a camisa de 2010 seria inspirada naquela inesquecível de 1995, a torcida ficou esperançosa de que, enfim, o Grêmio teria uma camisa com cara de… Grêmio. A direção inclusive vendeu algumas camisas “no escuro”, sabendo que, se ela lembraria o glorioso ano de 1995, muitos não temeriam comprá-la sem vê-la.

Porém, não foi isso que se viu ontem, quando os novos uniformes foram lançados. A nova camisa até que não é feia, mas sequer lembra um clube que é conhecido como o Tricolor dos Pampas.

A frente tem apenas duas listras azuis e uma preta, que fica no meio (a camisa de 2003, o fatídico ano do centenário, também tinha uma listra preta no meio, mas não era a única), padrão que se repete nas costas – com interrupção no espaço em que fica o número (a propósito, é algo importante a dizer: gostei da fonte do número, sem aquele estilo “quadriculado” dos modelos de 2008 e 2009 do “babador”). Como as listras brancas (que sempre são menores) ficaram por demais estreitas, de longe chega a parecer que se trata de uma camisa bicolor.

Do jeito que vai, as camisas do Grêmio feitas pela Puma que mais venderão serão justamente as réplicas de modelos anteriores, todos originalmente de outras fornecedoras…

————

Entendo que a Puma crie “padrões” de camisas utilizados com vários clubes e seleções que a tem como fornecedora de material esportivo. É direito da empresa.

Porém, as “invenções” deveriam se restringir ao uniforme nº 2 ou nº 3. A camisa principal, TRICOLOR, tem de ser, como nós torcedores costumamos dizer, “o manto sagrado”: qualquer invenção que a descaracterize deveria ser proibida pelo estatuto do Grêmio.

E, para se ter uma ideia, das sete camisas Tricolores feitas pela Puma (no post do Bruno Coelho no Grêmio 1903 tem uma linha do tempo Puma/Grêmio), nenhuma é igual a outra. Tanto no design como nos tons de azul. Apesar do modelo 2010 não ser o pior (as mangas diferentes de 2006 e o “babador” de 2009 são insuperáveis), está muito longe de ser uma camisa com a cara do Grêmio (não é só o Autuori que não a tem…).

————————

Atualização: só depois de ter o texto pronto, li o que escreveu o Hélio Paz sobre as novas camisas, e recomendo a leitura.

Dois anos, e mais de 100 mil acessos

Se alguém verificar o número de acessos que o Cão já teve, pensará que me confundi no título desse post – ou, pior ainda, que menti.

Mas não me confundi, e tenho certeza de estar falando a verdade. Pois se no momento que escrevo são contabilizadas pouco mais de 99 mil visitas, é preciso lembrar que esse número refere-se aos acessos desde 17 de agosto de 2007, quando o Cão mudou para o WordPress.

O blog iniciou-se em 14 de maio de 2007, no Blogspot. Não acredito que tenha tido menos de mil visitas nos três meses de Blogspot.

Assim, me sinto no direito de “comemorar”, neste 14 de maio de 2009, duas marcas importantes. A primeira são os mais de 100 mil acessos. A segunda, é o segundo aniversário do blog, e em “ascenção”, visto que um ano atrás o contador do WordPress registrava pouco quase 24 mil visitas, o que me fazia “especular” o número de quase 30 mil visitas no primeiro ano de existência do Cão – provavelmente houve umas 6 mil visitas quando o blog estava no Blogspot. Assim, me permito dizer que o número de acessos mais que dobrou: quase 30 mil no primeiro ano, mais de 70 mil no segundo.

Pode parecer “contentamento com pouco” comemorar 100 mil acessos em dois anos, visto que há muitos blogs que alcançam tal número em um dia. Mas não se pode esquecer que estes são pertencentes a grandes empresas de comunicação: o fato de estarem lá hospedados ajuda muito. Já o Cão não tem tanta visibilidade, assim, sempre comemorei cada “dezena de milhar” no número de acessos – até os 50 mil, depois parei. Agora, 100 mil achei digno de ser celebrado. Não sei se darei destaque aos 200 mil – bom, acredito que tenho pelo menos um ano e meio para pensar se comemoro ou não…

Nesses dois anos, o que moveu o Cão foi unica e exclusivamente o meu tesão por escrever. Mas, é claro, também pesou muito o fato do blog ser lido. O que adiantaria eu publicar textos que ninguem lesse?

Por isso, deixo aqui registrado o meu agradecimento a ti, leitor, razão de existir do Cão Uivador. Seja esporádico, regular, gremista, colorado, desde 2007, 2008 ou 2009. Muito obrigado!

Qual o destino da América Latina?

Trecho do documentário “Encontro com Milton Santos” (2007), de Sílvio Tendler, em que fala o escritor uruguaio Eduardo Galeano:

Impossível assistir o vídeo e não lembrar de Porto Alegre: apesar de toda a exaltação ao gaúcho, “tão diferente”, achamos o máximo imitar os outros

A música do ano

Nenhuma música simbolizou tão bem o ano de 2007 no Brasil como “Classe Média”, de Max Gonzaga. É uma ótima crítica à mentalidade “cansada” de boa parte da classe média brasileira, que chora na frente da câmera de TV porque o avião atrasou, enquanto grande parte da população passa a noite inteira ao relento para conseguir marcar uma consulta médica.

A música é de 2004, mas tornou-se mais conhecida em 2007 graças ao “Cansei”. O vídeo abaixo é um clipe feito a pedido da revista CartaCapital.