1960 e 2010: Os Anos da África

Foi ainda no tempo do colégio que li a expressão “1960: O Ano da África” em um livro didático. O motivo, é que só naquele ano 16 países do continente obtiveram sua independência política. Livravam-se de um colonialismo que fora por demais cruel, e do qual sofrem até hoje as consequências.

Meio século passou, e novamente temos um Ano da África. Desta vez, no futebol. 2010 foi o ano da primeira Copa do Mundo no continente africano (embora não haja apenas coisas boas nisso). Por muito pouco, uma seleção africana (Gana) não chegou à semifinal desta Copa.

E agora, no Mundial de Clubes, pela primeira vez a decisão não será entre América do Sul e Europa. Quem está lá? A África. Representada pelo Mazembe, da República Democrática do Congo (antigo Zaire), que foi até 1908 propriedade privada do rei Leopoldo II da Bélgica com o no mínimo irônico nome de “Estado Livre do Congo” – que mascarava a mais brutal colonização europeia na África.

O “reino privado” de Leopoldo II tornou-se colônia em 1908 com o nome de “Congo Belga”, subetendo-se assim ao parlamento da Bélgica, e não mais às decisões pessoais do rei, embora isso não mudasse muita coisa – afinal, a população local continuava sob domínio europeu, que duraria até o Ano da África, ou seja, 1960.

————

E o Mazembe ganhou do Inter com todos os méritos. Certa imprensa quer fazer acreditar que os vermelhinhos “perderam para si mesmos”, contra um adversário “muito inferior, frágil” (que, de tão frágil, foi muito mais competente para marcar não um, mas dois gols).

Provavelmente se tenha lido opiniões semelhantes nos jornais de Barcelona, em dezembro de 2006… Só mudando as cores dos que “perderam para si mesmos”, e dos “frágeis” vencedores.

————

O Grêmio também participou desta grande vitória do Mazembe sobre o co-irmão. Afinal, nós gremistas temos um colega de torcida na República Democrática do Congo. E não é qualquer um: trata-se do médico Denis Mukwege, indicado ao Prêmio Nobel da Paz em 2009, que é especialista no tratamento de mulheres vítimas de violência e tortura sexual durante a guerra civil que por vários anos assolou seu país.

E, não bastasse um tão ilustre gremista no país do Mazembe, a gloriosa camisa Tricolor se misturou à torcida dos “Corvos” (apelido do clube) em Abu Dhabi.

Anúncios

A primeira “urucubaca”

Na hora de me comprar algum presente no Rio de Janeiro, minha mãe optou, claro, por um livro. E obviamente, de História: no caso, é “Histórias de presidentes”, de Isabel Lustosa.

O livro conta diversas histórias – algumas hilárias – sobre os presidentes do Brasil que passaram pelo Palácio do Catete de 1897 a 1960, período em que o local era a sede da Presidência da República. Não terminei de ler o livro, mas já sinto a necessidade de compartilhar alguns fatos engraçados com os leitores do Cão. Como, por exemplo, dos quatro anos (1910-1914) de governo do marechal Hermes da Fonseca (ou será que era do Pinheiro Machado?). De acordo com Lustosa, Hermes foi um dos presidentes mais satirizados da História do Brasil.

Dizia-se que quem governava o Brasil, na verdade, era o senador Pinheiro Machado, gaúcho como Hermes da Fonseca. Segundo uma anedota publicada na revista O Gato, em 1913, Hermes teria confidenciado a Venceslau Brás (seu sucessor na Presidência): “Olha, Venceslau, o Pinheiro é tão bom amigo que chega a governar pela gente”.

Às vésperas do Carnaval de 1912, morreu o Barão do Rio Branco, notável diplomata do Brasil. Para homenageá-lo, o governo federal decidiu adiar o Carnaval para abril. Resultado: o povo “pulou” tanto o Carnaval de fevereiro quanto o “oficial”, em abril…

Mas notável também era a fama de azarado do marechal Hermes. A palavra “urucubaca”, hoje tão utilizada, teria sido criada em 1915 pelo caricaturista Yantok para “homenagear” a má sorte do já ex-presidente.

A “urucubaca” já teria se manifestado, e de forma fatal, em um desentendimento do marechal Hermes com o presidente Afonso Pena, em 1909. Poucos dias depois, Pena faleceu.

Em outubro de 1910, já eleito presidente, Hermes visitou Portugal. Enquanto o rei D. Manuel II recepcionava o marechal, eclodia o movimento revolucionário que implantou a república no país.

Mas a melhor (para os humoristas, não para as finanças brasileiras) foi o depósito de metade dos 2,4 milhões de libras emprestados pelo Loyds Bank entre 1911 e 1912 ao governo brasileiro em um banco russo. A quantia, junto com o banco, foi encampada pela Revolução Russa em 1917…

Hermes da Fonseca deixou a Presidência em 15 de novembro de 1914, debaixo de vaias.