A ressurreição de Nicolae Ceausescu

O Natal de 1989 foi inesquecível para mim: passei o dia inteiro brincando com meu presente preferido daquele ano, um “Pense Bem”. Aquele 25 de dezembro foi também memorável na Romênia, mas por outro motivo: foi o dia em que o ditador Nicolae Ceausescu (que estava no poder desde 1965) e sua esposa Elena acabaram executados por um pelotão de fuzilamento, três dias depois da derrubada da ditadura por uma insurreição popular.

Porém, oito anos e meio depois, Ceausescu voltou à vida por um mês. E acreditem, foi na tela da Rede Globo!

Simples: a vinheta que abria as transmissões “globais” da Copa do Mundo de 1998 terminava com o logotipo da emissora, que continha dentro algumas bandeiras de países. Reparem que falei simplesmente em “países”, e não em “países da Copa”. Pois havia a presença de bandeiras como as de Austrália, Canadá e Irlanda, cujas seleções não disputaram o Mundial da França.

Mas procurando por mais erros, reparei que a bandeira da Romênia continha o brasão “socialista”, que fora retirado do pavilhão romeno após dezembro de 1989. Por motivos óbvios: com o fim da ditadura de Ceausescu, a Romênia deixara de ser “socialista”. (Inclusive, durante os protestos contra o regime se via muitas bandeiras romenas, todas com um buraco no lugar do brasão, recortado pelos manifestantes – as bandeiras “vazias” se tornaram um símbolo da insurreição popular.)

É importante lembrar que não foi só a bandeira romena que saiu errada: a África do Sul adotou a sua atual em 1994, mas a que aparece na vinheta é a anterior, dos tempos do apartheid.

Provavelmente o leitor deve estar pensando que em 1998 a Globo cometera a façanha de ainda não ter atualizado seu “arquivo de bandeiras”. Pois é, então como explicar que, na vinheta de 1994, a bandeira da Romênia estava correta? Mas não pensem que a “plim plim” tinha deixado de fazer de fazer sua propaganda comunista: sobrou para a Bulgária, cuja bandeira desde 1990 não tinha mais brasão… (É muito rápido, e por isso difícil de perceber o brasão no pavilhão búlgaro, mas ele está lá.)

Sobre vínculos entre Brasil e Bulgária

A vitória de Dilma foi comemorada não só por seus eleitores no Brasil, como também na Bulgária, pátria natal de seu pai. Petar Russév nasceu em Gabrovo, cidade situada no centro do país de Hristo Stoichkov, e no Brasil passou a assinar Pedro Rousseff.

A referência ao goleador da Copa do Mundo de 1994 não é apenas em homenagem ao craque que me fez descobrir a Bulgária (assim como Gheorghe Hagi serviu para que eu soubesse da existência da Romênia). É que vou falar de futebol, depois de tanto tempo praticamente só escrevendo sobre política… Melhor: de história do futebol.

No dia 25 de abril de 1961, Stejan Petroff foi ao estádio assistir ao jogo de seu time, o CDNA (atual CSKA de Sófia), campeão búlgaro. Torcedor fanático, preferiu ir ao futebol enquanto sua filha nascia no hospital… E por conta disso, viu seu time levar uma goleada de 5 a 1, fora o baile. Saiu do estádio tão encantado com a atuação do adversário, que decidiu fazer uma homenagem.

O adversário se chamava Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense, que realizava vitoriosa excursão à Europa. E Stejan Petroff decidiu dar à filha que nascia enquanto o Tricolor jogava na capital búlgara o nome de Gremina.

Um ano depois, o Grêmio fez nova excursão à Europa e jogou novamente na Bulgária, quando a delegação teve a oportunidade de conhecer Gremina Petroff, que foi nomeada “Afilhada do Grêmio”.

Atualmente, é médica pediatra, e assina Gremina Beliov – casou-se e perdeu o sobrenome de solteira. Os contatos mais recentes com ela datam de 2003, época do centenário do Grêmio.

Seria interessante o marketing do Tricolor aproveitar a maior exposição do Brasil na imprensa búlgara para divulgar mais essa história (e por consequência, o Grêmio) por lá.

É sempre bom lembrar

“Noite e Neblina” (vídeo acima) é um documentário produzido pelo francês Alain Resnais, em 1955, por ocasião do 10º aniversário do fim da Segunda Guerra Mundial. Tem o grande mérito de denunciar não só os figurões do nazismo, como também as grandes corporações alemãs de terem mantido campos de concentração para a exploração de mão-de-obra escrava durante o Holocausto.

Não faltam imagens chocantes ao longo dos 30 minutos de filme – e acho que é realmente necessário chocar as pessoas, para que tenham ideia do horror que significou tudo aquilo, e desta forma se corra menos risco de que se repita. Afinal, como é lembrado ao final, não podemos pensar que tais fatos se resumem a um país, em uma época.

Não seria o caso de “Noite e Neblina” ser maciçamente exibido no país natal de seu diretor? Afinal, nos últimos tempos a xenofobia tem crescido muito na França; e nos episódios mais recentes, o país tem deportado ciganos oriundos de Bulgária e Romênia – países que integram a União Europeia desde 2007, e por conta disso seus cidadãos têm direito ao livre trânsito entre os países-membro da UE – e também proibiu as mulheres muçulmanas de usarem véu.

Há uma tendência crescente, e por isso mesmo cada vez mais perigosa, de se culpar os imigrantes por todos os problemas. Isso é muito forte hoje em dia na França, mas também se verifica em vários outros países, na Europa e fora dela, como nos Estados Unidos e mesmo no Brasil – onde a xenofobia se dá até entre brasileiros.