O Grêmio fica

IMG_20181202_161127103_HDR

Era para ser o último… Só era mesmo.

Fui ao jogo do Grêmio contra o Corinthians, domingo na Arena, mais do que dar meu apoio ao Tricolor, que precisava vencer para garantir o 4º lugar no Campeonato Brasileiro e, assim, uma vaga diretamente na fase de grupos da Libertadores de 2019 (se bem que depois de tudo o que aconteceu na atual edição, nem dou muita bola para ela).

Inicialmente, minha ideia era uma despedida. Isso mesmo.

O motivo: corte de gastos. No atual contexto de salários cada vez mais atrasados, torna-se necessário gastar o mínimo possível, para que no início do mês seguinte sobre algum dinheiro na conta caso necessário. Eu tinha duas alternativas de cortes: deixar de pagar a mensalidade do Grêmio, ou entregar o apartamento e voltar a morar com minha mãe.

Se pensar unicamente no aspecto financeiro, chega a ser bobagem pensar em não pagar mais o Grêmio. Afinal, é uma economia que faz muito menos diferença do que aluguel, condomínio, IPTU e outras taxas.

Mas eu notava outras coisas. Para além da mensalidade, também tinha os gastos envolvidos com as partidas: deslocamento, bebidas, alguma coisa para comer etc. Houve jogos nos quais desembolsei uma grana considerável – em especial, aqueles disputados à noite, quando descia do ônibus ou da lotação no final da linha e ainda precisava pegar táxi ou carro de aplicativo para não voltar a pé em horários não recomendáveis para se caminhar pelas ruas.

Ou seja, deixando de ser sócio do Grêmio, eu economizaria bem mais do que a mensalidade, teria um pouco mais de fôlego financeiro, e poderia continuar morando sozinho.


Então, cheguei à Arena. Fiz o que tinha decidido após o fatídico jogo contra o River: não beberia grandes quantidades de cerveja, como fazia até então antes de entrar no estádio (o fato de ter ido sozinho e só encontrado um dos meus amigos dentro da Arena colaborou). Tomei uma cerveja artesanal, vendida na esplanada: o copo custava 12 reais, mesmo preço de uma garrafa de litro no bar onde a turma costuma se concentrar antes dos jogos, mas a um custo-benefício bem mais em conta, dado que tem muito mais qualidade do que as vendidas no bar.

Ao contrário do que vinha acontecendo quando ia “de galera”, entrei bem cedo no estádio, sem correria. Fiquei um bom tempo observando a torcida, pensando no que perderia deixando de ser sócio.

Até que foram anunciadas as escalações, primeiro do Corinthians e depois a do Grêmio. Quando o locutor falou o nome de Renato Portaluppi, que fica por mais um ano no Tricolor, vibramos e aplaudimos muito… Já comecei a pensar se não valeria mais continuar sócio e “dar um jeito” nas contas.

Depois os times entraram, a partida foi iniciada e o Grêmio começou em um ritmo bastante acelerado, certamente uma injeção de ânimo dada pela renovação de Renato. E o gol da vitória veio cedo, marcado justamente por Jael, o centroavante que recém acertou sua permanência por mais dois anos, algo que tanto criti… O quê? Jael? NUNCA CRITIQUEI!

No intervalo, saboreei as pipocas doces que mantém o mesmo sabor desde os tempos do Olímpico – cuja despedida “oficial” ocorrera exatos seis anos antes deste Grêmio x Corinthians, também num domingo, 2 de dezembro de 2012. Lembrei de como era mais fácil chegar ao Velho Casarão, que lá dificilmente eu pensaria em deixar de ser sócio, mesmo que a Arena seja incomparavelmente mais confortável. Mas a verdade é que naquele momento a decisão estava tomada: o próximo boleto vence na quarta-feira e será pago.

Ainda mais depois de chegar em casa e pôr tudo “na ponta do lápis” (traduzindo: no Excel). Tem muita “coisa boba” que posso cortar e assim economizar mais do que pago de mensalidade. Inclusive a cerveja de antes dos jogos: melhor beber menos (e melhor) e economizar mais – o meu fígado agradece.

Em último caso, abro mão de morar sozinho. Antes disso, que do Grêmio.

Anúncios

Promessas

Nunca me esqueço de uma crônica de Luis Fernando Verissimo acerca de resoluções de ano novo, na qual explicava por que não as fazia. O motivo principal: elas costumam acontecer “no calor do momento”, quando a soma de bebidas alcoólicas e empolgação por uma “novidade” – que nada mais é do que uma convenção – nos impele a falar coisas sem pensar.

Lembro disso e, automaticamente, de outras promessas que fiz – as quais, obviamente, não consigo cumprir.

Uma delas é bem recente: a de não mais beber cerveja. Foi na noite seguinte à derrota do Grêmio para o River Plate, que eliminou o Tricolor da Libertadores. Para mim o saldo foi bem mais negativo do que um resultado adverso no campo, visto que naquela noite fui furtado: quando percebi meus bolsos estavam vazios, precisei encarar burocracia em busca da segunda via dos meus documentos e terei a despesa não-planejada da compra de um novo celular (atualmente uso um provisório só para acessar o básico). É verdade que bebi demais, mas injustamente quis culpar a cerveja: o maior culpado, antes de qualquer outra pessoa (ou bebida), é, obviamente, o ladrão. Até havia algum fundamento na ideia de largar a cerveja: aquela noite, dois dias após o segundo turno eleitoral, foi apenas um “fecho de ouro” para o pior outubro da minha vida, no qual muito bebi para suportar o fardo que era – aliás, ainda é – morar no Brasil. Mas foi só (re)começar o calorão que me veio a vontade de tomar uma breja gelada: moderadamente, vale muito a pena.

Outra promessa que andei fazendo tempos atrás e não tenho como cumprir: não reclamar do calor. Pois a fiz lá em junho, lembrando que nunca convenci ninguém que prefere o inferno ao inverno a mudar de ideia, para dar uma indireta aos “chatonildos do pão e circo” que reclamavam da Copa do Mundo – que foi das raríssimas coisas boas de 2018, apesar do fracasso latino-americano nos gramados russos. Era o auge do inverno (aliás, outra coisa boa de 2018 é que teve inverno, mesmo que eu tenha caído de cama por um gripaço), já tinha quase me esquecido do desconforto que o verão me proporciona. Mas não completamente: em alguns momentos cheguei a desejar temperaturas amenas, jamais o abafamento e os banhos de suor típicos do nosso verão.

Mas o maior fracasso dentre minhas promessas, sem dúvida alguma, foi a de ignorar o noticiário político. Não tive como. Ainda mais numa eleição como foi a de 2018.

É por isso que continuarei bebendo, mesmo que moderadamente. E substituo a expressão “calor de desmaiar Batista” por “calor coiso”: acho que faz muito mais sentido, pois trinta e todos graus – assim como o candidato que venceu a eleição presidencial – me dão desespero e vontade de ir embora para o Canadá, enquanto o frio pode até causar algum desconforto, mas nos leva a pensar mais nas pessoas e dá vontade de abraçá-las. Inverno é amor.

Escrever o que me vier na telha

Andei pensando que talvez meu maior adversário na luta por voltar a escrever com frequência não seja exatamente a tão falada procrastinação. Mas sim, ironicamente, que tenho pensado demais no que escrever.

É impressionante. Fecho o Facebook (o qual, aliás, ando frequentando cada vez menos, graças ao celular roubado que me fez temporariamente voltar ao aparelho anterior que, lento, prefiro usar apenas para o básico), abro o Medium ou o WordPress, e as palavras me faltam. Sobram questionamentos sobre se o que escreverei é relevante, será lido ou não etc.

Como se antigamente eu me preocupasse muito se meus textos reclamando do calor (aliás, que saudade do inverno!) ou falando do Grêmio num blog com muitos leitores colorados fossem relevantes…

O negócio é sentar e escrever o que me der vontade. O que vier de leituras e comentários, é lucro. Só não dá mais é para não escrever.

Voltar às origens

Há mais de dois meses postei aqui sobre a necessidade de voltar a escrever com regularidade. E o que aconteceu? Apenas um texto (curtíssimo) acerca do incêndio no Museu Nacional, e mais nada…

Não voltei a escrever com regularidade, e creio que isso se deveu justamente a algo que já diagnostiquei naquele 28 de agosto: o melhor lugar para a retomada é justamente aqui, onde “tudo começou”. Voltar às origens é a melhor maneira de recomeçar – mesmo que seja impossível partir do “zero” novamente.

Até porque o Cão, embora já tenha passado por áureas fases em que tinha muitas visitas diárias, nunca deixou de ser algo mais “pessoal”. Não me preocupava se o que escreveria seria “relevante”, até por saber que ainda assim seria lido. Hoje, é verdade, isso é bem mais difícil de acontecer, mas percebo que o fundamental é parar de querer escrever para outras pessoas – ainda que obviamente elas possam ler, por ser publicado abertamente – e sim expressar, com minhas palavras, o que realmente quero dizer.

Vamos ver se agora vai. E quem sabe assim consigo terminar um outro texto que pretendo publicar no Medium.

Preciso voltar a ser escritor

Lá se vão mais de três meses desde o último post aqui no Cão. Neste meio-tempo tivemos uma Copa do Mundo que curti muito (apesar de mais um fracasso de nossa América Latina) e a criação de uma newsletter na qual pretendia dar “notícias minhas” em substituição ao Facebook, o qual ainda quero abandonar em 2019 – sim, pleno agosto e já tenho “resoluções de ano novo”.

Um dos propósitos da newsletter também era o de retomar o hábito de escrever, e já posso dizer que fracassei nisso. Pretendia mandá-las sempre aos domingos, mas já na segunda atrasei; ainda houve mais uma, e depois não escrevi mais.

Mas este breve texto que escrevo aqui não deixa de ser positivo neste aspecto. Pois é um “reconhecimento público” – ainda que vá ser lido por meia-dúzia de pessoas – de um fato: preciso voltar a escrever com regularidade, como fazia até 2014. Sinto que minha vida necessita de um propósito que vá além da entediante rotina de acordar, tomar café, ir trabalhar, chegar em casa, tomar banho, comer alguma coisa e ligar a televisão e/ou ficar rolando a tela do celular ou do computador logado em uma rede social.

Preciso voltar a ser escritor. E provavelmente não haja melhor lugar para isso do que aqui no Cão, minha “casinha” das palavras.

11 anos de Cão Uivador

Foi em 14 de maio de 2007, uma segunda-feira, que este Cão Uivador teve seu primeiro texto publicado. Era o início de uma trajetória que duraria quase oito anos sem interrupções.

A primeira foi uma “crise” não somente do blog, como de seu próprio autor. Era um momento de desânimo com a vida, no qual meu futuro era incerto. Mas reuni motivação para dar seguimento ao Cão – que celebrou seu sétimo aniversário em 14 de maio de 2014 e semanas depois ganhou domínio próprio.

Agora, o que podemos chamar de “interrupção” aconteceu no início de 2015 – ironicamente, não por conta de uma “crise”, visto que o momento vivido era dos melhores: em janeiro daquele ano me mudei para Ijuí, era o início de uma nova experiência de vida. Algo que deveria inspirar novos textos. Porém, além de toda a função da mudança, no começo de minha jornada no noroeste gaúcho também não tive internet em casa – levou cerca de duas semanas para eu não depender do celular para me conectar.

Algo interessante é que cheguei a escrever um texto falando de algo que muito me chamava a atenção por lá: o céu noturno. Afinal, por ser uma cidade menor, a iluminação ijuiense ofusca menos o brilho das estrelas. Lembro de várias noites nas quais ficava muito tempo simplesmente olhando para o céu, sem nem tentar contar as estrelas. Porém, o rascunho do texto no qual falava isso ficou incompleto: a última edição foi na madrugada de 22 de março de 2015 – quando o Cão já acumulava 74 dias sem atualizações. Provavelmente deixarei lá, sem publicar, pois terminá-lo hoje, quando moro novamente em Porto Alegre, não seria a mesma coisa.

Não deixa de ser curioso que apenas dois dias depois de salvar este rascunho finalmente voltei a atualizar o blog. E o motivo foi, ironicamente, o longo tempo parado. Foi aparentemente uma retomada (afinal, já tinha pensado seriamente em acabar com o blog), pois dois dias depois teve novo texto. Mas depois, mais duas semanas de parada até postar em homenagem a Eduardo Galeano, falecido em 13 de abril de 2015. E, 42 dias depois, o “fim” – e início de um novo blog, que seria mais “condizente” com o novo momento. Assim como oito anos antes (a propósito, não houve postagem pelo oitavo aniversário do Cão), em uma segunda-feira de maio.

Com isso, passou sem nenhuma lembrança o décimo aniversário do Cão, ano passado. Aquele 25 de maio de 2015 parecia ter sido, realmente, um ponto final.

Mas não foi. Decidi retomar o Cão em fevereiro de 2018, mas com uma proposta diferente da anterior (e sem domínio próprio): mais com cara de “anotações dos meus pensamentos” do que para textos mais “sérios”, analíticos. Não que eu tenha aberto mão disso, mas tenho preferido fazer em outros lugares, como em publicações no Medium.

E hoje, depois de quatro anos, volto a celebrar o aniversário do Cão Uivador. Em uma segunda-feira de maio. Com uma “novidade”: incorporei a ele os textos escritos no blog criado naquela outra segunda-feira de maio, na qual ele aparentemente tinha “acabado”. Agora, tudo é Cão, sem divisões.

Inédito: a mudança de horário me afetou

Celebrei o fim do horário de verão, apesar de gostar dele, pois significa que o outono está no horizonte. Sim, isso é algo bom.

Porém, não contava com algo diferente em 2017 em relação a anos anteriores: no primeiro dia útil após a mudança do horário eu trabalhei até pouco depois das 19h. E senti bastante a diferença, ao contrário de anos anteriores quando em tal horário já estava em casa ouvindo a Voz do Brasil (é sério).

Afinal, sexta-feira saí no mesmo horário. Fazia muito calor e tinha sol.

Por sua vez, na segunda-feira só tinha o calorão. O sol há muito já tinha ido.


Em compensação, até hoje nunca tive problemas com a entrada do horário de verão – que é quando acontece a maior parte do “mimimi”. Embora seja bem verdade que quando começou o “finado” horário de verão 2016/17 eu não saia do trabalho às 19h em nenhum dia, mas sim por volta das 18h todos os dias: em outubro tal hora já tem sol mesmo que vigore o horário normal.

Verão: o horário já foi

Curto bastante o horário de verão. Acho muito agradável andar na rua às 8 da “noite” com céu ainda claro, o relógio adiantado permite aproveitar mais a luz solar. Fora que nunca tive problemas para me adaptar ao horário, e não entendo quem fica todo esse tempo de “mimimi”: a média para se acostumar é algo em torno de uma semana (reconheço que sou um privilegiado pois em questão de dois ou três dias estou bem habituado), logo quem depois desse tempo ainda não se ajustou deveria é procurar orientação médica ao invés de ficar reclamando no Facebook.

Por outro lado, também adoro quando acaba o horário de verão, numa aparente contradição. Mas que se explica facilmente: me acostumo muito facilmente com a hora adiantada, enquanto ao verão faz 35 anos que não me adapto. E o fim do horário de verão, mesmo com todo esse calor, é um sinal de que já é possível vislumbrar o outono no horizonte.

Faltam 29 dias.

Não derreti com o calor

Até porque nem está tão quente assim, o problema é a umidade elevada. A previsão de “onda de calor” para os próximos dias chega a me fazer rir, pois não há prognóstico de três semanas com temperaturas beirando os 40°C como aconteceu em 2014 – naquela época eu já celebrava quando não passava dos 35°C.

Mas ainda assim, não vejo a hora que chegue o outono. Faltam “só” 30 dias para o início oficial – o início “de verdade”, que é quando a temperatura cai, leva mais um tempo.

Que venha logo.

Do Twitter ao blog

O Twitter tem muitas vantagens em relação ao Facebook. Não é tão repleto de “cagadores de regra”, dá maior liberdade de ignorar idiotas que só aparecem para provocar, e o principal: não é uma rede “de amigos”, mas sim de “seguidores”. Tenho muitos “amigos” que não sigo no Twitter e vice-versa, mas no Facebook lá estão…

Só que o Twitter tem um problema: limite de 140 caracteres. Com isso, o que se quer dizer acaba ficando “quebrado” em vários “tweets”. Embora ainda seja a rede ideal para “xingar muito”, em especial a galera chata do Facebook.

Nesse aspecto, o blog tem uma vantagem: poder escrever mais. E como não estou divulgando os links no Facebook, me dá uma liberdade bem maior.

De repente faço isso no próximo texto. Agora não, pois estou com sono (sim, madrugada de sábado e vou dormir cedo, mas foda-se).