Brasil x Argentina

Quando comparam Brasil e Argentina em relação ao número de mortes por covid-19, nosso “presidente” diz que a população brasileira é muito maior e, portanto, é “natural” que morra mais gente por aqui. A Folha de São Paulo fez as contas e demonstrou que há mais mortes por milhão de habitantes no Brasil do que na Argentina. (E incluiu no cálculo a Suécia, citada como “exemplo” por não ter adotado quarentena.)

Matemática nem tão complexa

Segunda-feira o Brasil atingiu a triste marca de 30 mil mortes por covid-19 e o fato foi minimizado pelo “presidente”, o que me faz lembrar dos hermanos mais uma vez. Pois 30 mil é o número estimado de mortos e desaparecidos durante o chamado “Processo de Reorganização Nacional”, expressão pela qual se autodenominou a última ditadura militar na Argentina, a mais sanguinária que o país já viveu.

O “Processo” durou sete anos, de 1976 a 1983. Na Argentina, a morte e desaparição de 30 mil pessoas durante este período é classificada pela jurisprudência como sendo um genocídio.

No Brasil, em menos de três meses de pandemia já ultrapassamos 30 mil mortes e o número tende a aumentar muito mais. O “governo” dá mostras de estar “cagando e andando”. Como classificar isso? Creio que a Argentina já deu a pista.

Ah, e em 1999 nosso atual “presidente” defendeu justamente que se matassem 30 mil pessoas. Objetivo alcançado, com sobras.