A democracia “cancelada”

Na noite de domingo, li um “fio” no Twitter que compartilhei devido à gravidade do assunto abordado. (A mensagem abaixo é apenas o começo dele, vai lá para ler tudo.)

Como a autora do tweet bem alertou, isso não tem a repercussão que deveria ter: universidades federais não terão recursos para pagar os salários de seus servidores até o final do ano. Deveria ser o assunto mais falado da segunda-feira, principalmente por parte da esquerda.

Mas não. Pois domingo tinha bloco de Carnaval, Alessandra Negrini participou ao lado de lideranças indígenas e caracterizada como elas, e boa parte da esquerda começou a “debater” se a atriz poderia ou não se fantasiar de índia…

Não que eu ache despropositado tal debate. O problema é o momento.

Afinal, o que é mais pertinente discutir agora? Fantasia de Carnaval ou a destruição das universidades públicas?

Provavelmente essa galera “problematizadora” já se formou. Com o diploma garantido, não se preocupa com o que realmente é importante. Então, dê-lhe falar de “apropriação cultural” e “cancelar” quem discorda.

Sabe qual será o resultado disso tudo? A esquerda tomará mais “vareios” nas urnas como já vimos nas recentes eleições, com direito a uma possível (e cada vez mais provável) reeleição do atual (des)governo em 2022. E no fim das contas a nossa já gravemente ferida democracia é que será “cancelada”.