A falta que faz o horário de verão

Falar que o verão está sendo muito quente em Porto Alegre é quase uma redundância. Digo “quase” pois de vez em quando acontece deles serem um pouco mais “civilizados”. Como aconteceu ano retrasado, quando não houve longos períodos de calor insuportável e na maioria dos dias tinha um vento por demais agradável nos finais de tarde.

Já no ano passado a coisa foi bem ruim. E agora está sendo ainda pior. Mesmo que eu tenha a impressão de que as madrugadas estão sendo menos quentes – provavelmente o abafamento noturno de 2019 se devesse ao El Niño que, felizmente, acabou no meio do ano. Complicado mesmo está sendo sair para trabalhar: as manhãs estão muito mais sufocantes que o habitual. Para entender o motivo, vamos voltar um pouco no tempo.

Em 14 de janeiro de 2019, o sol nasceu às 6h37min em Porto Alegre. Hoje, exatamente um ano depois, na mesma cidade, ele raiou às 5h37min. Por conta disso, em janeiro de 2019 saíamos para trabalhar com menos calor pois fazia menos tempo que o sol tinha nascido. Já agora ele está no céu há mais tempo: quando o relógio marca 8h, temos o mesmo tempo de luz solar no dia que o registrado às 9h no ano passado. E essa diferença não se deve a mudanças nos períodos de rotação e translação da Terra: isso tudo continua igual, o que mudou foi a hora marcada pelo relógio, que no final das contas é o que rege nossas atividades em uma sociedade urbanizada. Pois um ano atrás tínhamos horário de verão, e agora não o temos por (mais uma) decisão estúpida do cidadão que (des)governa o Brasil.

Pior que a decisão, só os “argumentos” que a sustentam. Tem aquele já bem batido do “relógio biológico”: engraçado que já vi os mesmos reclamões viajarem para a Europa e não reclamarem da diferença de fuso horário… Outro diz respeito às pessoas que “saem cedo, ainda no escuro, para pegar ônibus”: neste caso, é bom lembrar que (pelo menos no caso de Porto Alegre e outras cidades do Rio Grande do Sul) no inverno o sol nasce bem mais tarde que com horário de verão (depois das 7h em junho e julho); e estações do ano não podem ser canceladas por decreto.

O mais razoável tem relação com a economia de energia elétrica proporcionada pelo horário de verão, que vinha caindo ano após ano: se antigamente fazia a diferença as pessoas chegarem em casa bem antes do pôr-do-sol e por isso não precisarem acender as luzes, mais recentemente a disseminação dos aparelhos de ar condicionado (e seu uso madrugadas adentro para proporcionar um sono com maior conforto térmico) fez com que a mexida nos relógios causasse menos impacto no consumo de eletricidade. Apesar disso, ainda faria sentido a implantação da medida.

E faz não só por conta da ainda existente economia de energia. O horário de verão significava mais tempo de luz natural para ser desfrutado, considerando que o relógio rege as nossas vidas. Em Porto Alegre, no verão do ano passado ainda tinha sol às 20h; no atual já é praticamente noite. Isso proporcionava não apenas mais qualidade de vida a todos nós, como também colaborava para movimentar a economia: as pessoas ficavam mais tempo na rua e, consequentemente, consumiam mais, especialmente em bares – já que o tempo quente torna ainda mais desejável uma cerveja gelada. E a noite que começava “mais tarde” também terminava “mais tarde” no dia seguinte, fazendo com que o calor nos castigasse menos pela manhã.

Ou seja, no geral só perdemos com essa decisão estúpida de acabar com o horário de verão. Mas, faz muito sentido se considerarmos o caráter do (des)governo atual, que faz de tudo para acabar com o que resta de felicidade no Brasil.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s