Camarada verão

O atual verão está sendo até agora o menos massacrante em muitos anos aqui em Porto Alegre. Dá para “contar nos dedos” os dias de “Forno Alegre”: uns na semana passada, outros em janeiro, e o dia da final do Mundial entre Grêmio e Real Madrid (16 de dezembro: no calendário ainda era primavera mas na prática já era verão). De resto, vários dias com calor à tarde – afinal, é verão – mas com um ventinho ao anoitecer para refrescar. Espero que siga assim até seu final: importante falar disso, pois ainda falta mais de um mês para o início do outono.

Claro que não está sendo um verão “frio”, apesar da manhã desta terça-feira ter se assemelhado mais à Páscoa (que por ser no outono muitas vezes registra mínimas amenas e mesmo frias) do que ao Carnaval que está em suas últimas horas. Pois “verão frio” é algo que ao menos em Porto Alegre inexiste: ainda que uma temperatura mínima de 15°C seja baixa para fevereiro, em junho e julho é algo “acima da média” (que oscila entre 9°C e 10°C). Assim como não recordo de alguma vez ter precisado usar jaqueta, blusão de lã e cachecol durante o verão por aqui.

Bem ao contrário de usar bermuda e camiseta no inverno, algo muito mais comum do que parece: apesar da imagem de “Sibéria” associada ao Rio Grande do Sul, nosso frio é “fichinha” em comparação com lugares de inverno realmente rigoroso. Até porque raramente temos longos períodos “de renguear cusco”, o mais comum é a alternância de dias frios com amenos e até mesmo quentes.

E em alguns anos o inverno sequer é digno do nome – algo que muito desagrada a quem, como eu, prefere o frio ao calor. Foi o que aconteceu em 2017.

Mas hoje me senti um pouco “vingado” – sim, eu tenho “espírito de porco”. No Facebook, vi gente que morou a vida toda no Rio Grande do Sul reclamando do “frio” da manhã, mesmo que fossem moderados 15°C. Sentiram (só) um pouco da insatisfação térmica que eu tive nas várias vezes em que no último inverno o termômetro “passou lotado” dos 30°C (média das máximas em janeiro e fevereiro).

Anúncios

O melhor feriadão do ano

Sim, é o Carnaval. Mas não por conta de “folia” e semelhantes.

E sim pois o feriadão é sempre garantido. Começa na sexta de noite e só termina quarta de manhã. Outras datas às vezes caem sábado ou domingo e assim perdem toda a graça.

Com a vantagem de não ter hipocrisia como no final de ano: não aparece eleitor do Bolsonaro desejando “muita paz e amor”.

Mas também é verdade que o “espírito do Carnaval” é ser exatamente aquilo que eu não sou. Confesso que já tentei, lá em 2001: foi a única vez na minha vida em que fui a um baile de Carnaval. Depois, nunca mais.

Bloco de rua? Tô fora. Imagina se no meio de toda aquela gente recebo um “chamado da natureza” e preciso atendê-lo em um banheiro químico. Só de pensar já me dá náuseas. (Ainda mais com o calor do verão.)

carnaval

Tudo bem que essa foto não parece ser de Carnaval, mas acho que me fiz entender.

Muito melhor ficar em casa no ar condicionado, com um monte de coisas mais interessantes a fazer: beber minha cerveja com calma, ler, e em especial no ano de 2018 posso também assistir aos Jogos Olímpicos de Inverno e devo estudar para um concurso que prestarei em abril.

Ser de esquerda não é “voto de pobreza”

Muito antes pelo contrário: é contra a pobreza. É por uma distribuição mais justa de renda – portanto, da riqueza.

Acho hilário – para não dizer tosco – criticar uma pessoa declaradamente de esquerda por ela ter um celular bom, fazer viagens bacanas ou mesmo por assistir determinados esportes.

(Sim, teve gente idiota no Twitter falando de uma suposta “incoerência” que seria uma pessoa ser de esquerda e assistir ao Super Bowl. Mostrando que sequer sabem como funcionam as principais ligas esportivas dos Estados Unidos: ainda que por um propósito bem capitalista – faturar mais – elas possuem mecanismos que evitam um desequilíbrio muito grande na disputa, tornando-as bem mais atraentes do que campeonatos monótonos como o de futebol na Espanha.)

Sem contar que, se uma pessoa que vive com relativo conforto não pode ser de esquerda, pela mesma lógica quem está sempre mal de grana não poderia ser de direita. Mas infelizmente gente do segundo tipo é o que não falta.

Agora é oficial: o Cão Uivador recomeçou

Nas últimas semanas, andei pensando muito em voltar a ter blog. Afinal, ando escrevendo pouco – mesmo que eu participe de algumas publicações no Medium.

Aí me veio a dúvida: começar um novo blog do zero? Dar continuidade a um que criei no mesmo dia em que encerrei as atividades do Cão Uivador em 25 de maio de 2015? Ou “ressuscitar” o Cão?

Uma olhada nas estatísticas sepultou a dúvida: mesmo que inativo há quase três anos, o Cão ainda tem alguma audiência, por incrível que pareça. Buscas no Google ainda trazem gente para cá.

Por isso, anuncio: o Cão está de volta. Agora é para ficar?

Certamente não voltarei ao ritmo de postagens que tinha de 2007 a 2013. Nem poderia prometer isso, visto que os dois próximos meses reservam bastante estudo para um concurso. Mas acho legal ter um espaço para escrever rápidas reflexões – e não, definitivamente não é o Facebook tal espaço.


Embora não curta Roberto Carlos, foi impossível não lembrar da música dele que compartilhei lá no começo…

E também não deixarei de escrever nas publicações que participo no Medium. A volta do Cão servirá apenas para tentar escrever com mais frequência.