Oito ou oitenta

Vivemos tempos de extremos. Não há espaço para o meio-termo. Talvez a temperatura por aqui seja apenas um reflexo disso: este verão é um dos mais rigorosos de todos os tempos, nos submetendo a um calor desolador cuja única escapatória parece ser, literalmente, a fuga em direção ao extremo sul do continente. Novamente, os extremos.

É tempo de extremos também no “debate” político nacional. Com aspas, pois o que menos há, hoje em dia, é debate. É um cenário de polarização, de “oito ou oitenta”, com pouco espaço para outras nuances e, principalmente, troca de ideias.

Bem fácil notar isso nas atitudes das militâncias de PT e PSDB: quem não é apoiador cego do governo, na visão petista, vira “tucano”, mesmo que seja mais de esquerda que o próprio PT. E para tucanos e outros de direita, quem é de esquerda é “PT”, mesmo que seja o cara ao qual recém nos referimos, que não apoia cegamente o governo (ou não apoia de jeito nenhum). Sem contar o insano “anticomunismo” de alguns, que acreditam piamente que o Brasil está prestes a sofrer um “golpe comunista”.

Não por acaso, o vídeo abaixo é quase perfeito, pois tirando as camisas “comunistas” do PT (visto que o partido está muito longe disso), dá uma amostra do que virou o “debate” político no Brasil polarizado: aquelas discussões sem sentido sobre futebol. Se substituírem o horário eleitoral gratuito por gritos de “torcidas organizadas”, não fará diferença alguma em termos de discussão de ideias.

Anúncios

3 comentários sobre “Oito ou oitenta

  1. Boa comparação. Mas ultimamente estou respeitando bem mais os integrantes de torcidas organizadas, até eles conseguem ser mais críticos!

  2. Realmente, virou insanidade essa briga PT x PSDB. Isso é coisa completamente ridícula brigar por causa de partido político. Não parece um debate sério, de pessoas. E o vídeo mostra muito bem isso. (se bobear, qualquer um cidadão normal avalia melhor política do que os próprios cidadãos dos partidos políticos)
    Abraços.

Os comentários estão desativados.