Globo e ditadura: “mudou não mudando”

Ontem aconteceu algo histórico na história da imprensa brasileira. O jornal O Globo, principal veículo impresso das Organizações Globo, publicou em sua página na internet um “reconhecimento” de que o apoio editorial ao golpe de 1964 foi um erro – e o melhor, citando também outros jornais que fizeram o mesmo e hoje posam de “democratas”.

“Antes tarde do que nunca”, dizemos todos. De fato, é bom que a velha mídia, que se diz tão “imparcial”, não esconda a verdade de seus leitores. Pois imparcialidade não existe: qualquer narrativa sempre será feita a partir do ponto de vista de quem a escreve. Duas pessoas observando o mesmo fato poderão escrever relatos bem diferentes.

Porém, como diz o título, foi uma mudança aparente. Pois a Globo “reconhece o erro”, mas muito depois de quando deveria tê-lo feito (queria ver falar no “erro” 40 anos atrás). Como o texto publicado pelo jornal lembra, em 1984 um editorial assinado por Roberto Marinho exaltava os “avanços econômicos” em 20 anos de ditadura, e ainda dizia que as Organizações Globo tinham permanecidos fiéis aos objetivos “revolucionários” (sim, ainda consideravam o 1º de abril de 1964 como uma “revolução”), mesmo com eventuais divergências (até a Globo sofreu censura, é verdade, mas muitas vezes isso se deu lá dentro mesmo), e que o golpe ocorrera por “exigência do povo” (queria saber quantos votos foram dados em favor disso). Ou seja, ao longo de todo o período autoritário a Globo nunca deixou de apoiá-lo.

Sem contar que a Globo apenas “reconheceu o erro”, mas sequer pediu desculpas ao povo brasileiro por ter apoiado a longa noite da ditadura. Aliás, fez pior: justificou o “erro”, responsabilizado João Goulart pelo golpe por ele ter “radicalizado” a situação e ter tornado “necessária” a quartelada.

Ou seja, nada mudou em termos ideológicos. No fundo, é apenas uma tentativa de “limpar a imagem”, abalada pelos protestos de junho: um dos alvos dos manifestantes era justamente a Globo, cujos repórteres iam cobrir os atos com microfones sem a identificação da emissora, de modo a evitar hostilidades.

Anúncios

8 comentários sobre “Globo e ditadura: “mudou não mudando”

  1. Como as coisas mudam… Sarney com Lula, Michel Temer de vice, Collor na base do governo. E a Globo comendo na mão do Partido dos trabalhadores. Que capacidade esses caras tem de se reciclar. Apoiaram a ditadura militar, apoiaram o collor, agora apóiam o socialismo bolivariano populista demagógico. Daqui 40 anos vão dizer que se arrependeram.

  2. E o sarney, collor e o michel temer junto com o reman Calheiros e o pmdb não te causam certo desconforto? A Globo esta descaradamente apoiando o tal programa demagógico populista na saude publica. Ou não? Sim ou não?

  3. Bom Rodrigo, não quero te incomodar, obrigado por postar alguns comentários meus. Na verdade não acho que sejas apoiador cego do governo, mas acredito que em relação as medidas de ultima hora para a saude, faltou aprofundamento das informações. Ficou meio na propaganda revoltadinhos de jaleco contra os bonzinhos cubanos. Isso tá meio superficial. Gostaria que alguém no jornal, por azar escolhi você, escrevesse algo sobre a política do PT para a saude nesses 11 anos. Verá como se cria a dificuldade para vender a facilidade e como a expiação da culpa para os medicos e injusta.

    • A culpa dos médicos estarem sendo visto como “culpados” pela situação é deles mesmos. Afinal, além de não quererem ir para o interior, não querem que mais ninguém vá, o que desperta antipatia principalmente por parte daqueles que sabem como é a situação da saúde nos lugares mais distantes.

      Obviamente apenas trazer médicos estrangeiros não é a solução para o problema da saúde: é preciso hospitais mais equipados no interior, de modo a permitir que os pacientes se tratem perto de suas cidades, sem precisarem se deslocar centenas de quilômetros. Mas também é preciso médicos – e os cubanos são especialistas em saúde preventiva, o que não exige maior tecnologia. Sem contar que mesmo em algumas cidades do interior há hospitais equipados, mas sem médicos, que não querem ir para lá, preferem ficar nas capitais…

      http://www.pragmatismopolitico.com.br/2013/07/cidade-oferece-r-10-mil-e-estrutura-mas-faltam-medicos.html

  4. Olha Rodrigo, eu sei bem como é a saude nos locais mais distantes. Toda eleição os medicos são demitidos, os calotes são de costume, a infra estrutura péssima faz pacientes morrerem nas suas mãos. Foi o próprio senador Tião viana do PT que vetou a criação de novos cursos de medicina no governo lula. Nos últimos 7 anos, mais de 40 mil leitos do sus foram fechados. A saída era criar um plano de carreira federal, não essa medida de curto prazo. Os medicos não querem que ninguém vá? Estão lutando por direitos trabalhistas mínimos, como ferias, fgts, auxilio maternidade. Além de revalidação do diploma, que é uma lei brasileira e existe em qualquer pais do mundo e era feita pelo proprio ministerio da saude. Tem mais uma. Veja os dados e verá que os estrangeiros e os brasileiros formados no exterior não foram para o interior. Foram para praias e capitais. Medicos brasileiros que estão no interior estão sendo demitidos pelas prefeituras para receberem os medicos do programa. Outra: saude preventiva precisa de material também. Exames de laboratório, mamografia, ultrassonografia, eletrocardiograma. Além disso, a demanda por medicina curativa é muito grande e eles enfrentarão isso apenas com sua boa vontade e mais nada. Já se está ciente que os medicos cubanos estão recebendo treinamento para virem ao Brasil há um ano e meio. Veja bem que escândalo! E por que nada foi feito para atender essa população nesse tempo? Obviamente o plano sempre foi trazer os medicos de Cuba. Sabe quanto ganha um medico que estudou muito para fazer uma cesariana de emergencia no hospital presidente Vargas? 125 reais. Se der algo errado toma um processo. E o pediatra neonatologista? Quanto ganha para avaliar o pacientinho na uti? 1,98 real. Esse é nosso SUS… Esse é nosso partido dos trabalhadores que retira todos os direitos trabalhistas e espera ser aplaudido. Por ultimo, assista o medico cubano que falou para a câmara dos deputados na integra. E veja o que passou na Globo. Na Globo, editaram para aparecer apenas ele falando bem dos colegas (que pessoalmente admiro muito), cortaram a parte que ele fala sobre o acordo Brasil e Cuba. Por que a Globo mostrou apenas a parte que interessa ao governo? Veja bem, é um medico cubano há 12 anos no Brasil dando seu depoimento e teve seu discurso de 5 minutos editado.

    • Os municípios que demitirem médicos para que o governo federal mande os do programa Mais Médicos (para não precisarem pagar os salários, que serão por conta da União) serão punidos, o Ministério da Saúde já disse.

      E se o plano era simplesmente trazer de Cuba, por que não houve essa gritaria toda quando o governo FHC fez a mesma coisa na década de 1990? Naquela época até a Veja era a favor…

Os comentários estão desativados.