Deste jeito, Porto Alegre vai parar

Porto Alegre, que completa 241 anos na próxima terça-feira, já ganhou um “presente”: a passagem de ônibus mais cara do Brasil dentre as capitais. A tarifa subirá de R$ 2,85 para R$ 3,05 mesmo depois do Tribunal de Contas do Estado (TCE) ter determinado que o cálculo do valor deveria ser feito com base apenas na frota operante (ou seja, os ônibus que efetivamente circulam), o que resultaria na redução da tarifa.

Originalmente as empresas queriam que a tarifa subisse a R$ 3,30. Já a proposta de ontem previa R$ 3,06 – obviamente não ficaria nesse preço, pois as moedas de um centavo são praticamente peças de museu, embora ainda tenham valor. Assim, o novo valor ficou “abaixo do desejado” pelas empresas, mas igualmente elas lucrarão mais. E foi ótimo para a prefeitura, que mais uma vez deu um jeito de “sair bem na foto” ao “impedir” que a passagem subisse ao valor que as empresas queriam, mesmo que na verdade tivesse de impor a redução do preço.

Assim, me questiono não se Porto Alegre vai parar, e sim, quando isso acontecerá. Pois tantos aumentos sem nenhuma melhora da qualidade do serviço só servem para uma coisa: incentivar mais gente a usar o carro no dia-a-dia (pois só quem não mora muito longe do trabalho pode se dar ao luxo de trocar o ônibus por caminhada). Ainda mais que as passagens de lotação também subirão – é a maneira encontrada para fazer com que os passageiros de ônibus insatisfeitos com o aumento migrem para carros próprios ao invés de lotações, o que frustraria o “sonho” de uma cidade completamente parada no congestionamento.

Aí, meus amigos, podem apostar que em 2014 as coitadinhas das empresas alegarão que a passagem precisa subir novamente porque elas têm muita despesa por colocarem os ônibus para circular com menos gente pagando (mas obviamente culparão as isenções, não a diminuição de passageiros que é fruto justamente de uma tarifa já elevada). E será assim em 2015, 2016… Talvez até chegarmos ao dia em que a prefeitura constatará que as pessoas “não utilizam os ônibus”, o que justificará a extinção do transporte público em Porto Alegre.

Anúncios