Não será o suficiente para uma cassação?

Ontem, novamente a reunião da ex-Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados (o prefixo “ex” se justifica pela Comissão ser comandada por alguém contrário a seus objetivos) foi marcada por manifestações contra seu presidente, Marco Feliciano, que irritado com os protestos, abandonou a sessão. Também chamou a atenção o destempero verbal de Jair Bolsonaro (o que ele fazia lá se também é totalmente contra direitos humanos e minorias?), que xingou os manifestantes com palavras de baixo calão.

Me pergunto: será que, finalmente, não é chegada a hora de se cassar o mandato de Bolsonaro? Como deputado, ele deveria zelar pelo decoro parlamentar, ou seja, adotar conduta exemplar. Se os manifestantes o xingaram com palavras de baixo calão (segundo eles, após ouvirem ofensas por parte de Bolsonaro), o deputado é que deveria se portar de maneira a servir de modelo, como “representante” que é (sim, os absurdos que ele diz representam muita gente, tanto que só cassar seu mandato não resolve o problema).

“Isso é coisa de petista blá blá blá”, diz o “comentarista de portal”. Porém, é bom lembrar que foi o mesmo Jair Bolsonaro que, em 1999, defendeu o fuzilamento do então presidente Fernando Henrique Cardoso. Juro que não consigo entender como um deputado que pregou o magnicídio (assassinato do Presidente da República) não teve seu mandato cassado.

Anúncios