Olímpico Monumental, o retorno

De volta, um mês e 22 dias após a despedida…

E, de fato, minha série lembrando os jogos em que estive no Olímpico Monumental (aliás, o mais breve possível pretendo publicar o texto sobre 1999) ganhará um capítulo a mais.

Confesso que foi uma sensação estranha, como a de uma “volta no tempo”. Afinal, voltava ao Olímpico pela primeira vez depois do Gre-Nal, quando tinha me despedido… E justamente para assistir a um jogo. Partida com muito menos importância do que aquela: o time B do Grêmio contra o Canoas, pelo Gauchão. Derrota de 2 a 1, que pode ter sido a última do Olímpico – amanhã ainda tem mais um jogo, contra o Santa Cruz. E não duvido que mais partidas do Gauchão sejam jogadas no estádio.

Foi impossível não comparar com a Arena, é claro. O novo estádio é muito mais moderno, tem acessos amplos, mais banheiros etc. Mas em um aspecto considero o Olímpico imbatível: a localização. E não falo simplesmente dos acessos à Arena, que ainda não estão prontos.

Quinta, fui ao jogo de ônibus, pois começava cedo (19h30min) e tive de passar em casa depois do trabalho para vestir a camisa e pegar o cartão de sócio. Mas amanhã, pretendo ir a pé.

Aliás, penso que não só eu acho complicada a localização do novo estádio. Quem mora na Zona Norte de Porto Alegre, por exemplo, pode ir ao Olímpico pegando apenas um ônibus, seja o T2 ou o T5, seja até o Centro para depois ir a pé (uma boa caminhada que pode ser feita em cerca de 40 minutos). Já quem mora na Zona Sul precisa pegar dois ônibus (a não ser que o T2 passe perto), pois caminhar do Centro até a Arena significa levar bem mais de uma hora.

————

Sobre a confusão do lado de fora do estádio (que não vi, pois quando cheguei a Brigada já tinha detido os brigões): tem gente que pensa em não ir mais a jogos por conta das cada vez mais comuns brigas na Geral. E o pior de tudo é que isso não parece que vai acabar tão cedo.

Anúncios

Um comentário sobre “Olímpico Monumental, o retorno

  1. Eu parei de ir a estádios em 1998, devido justamente a brigas no entorno dos estádios, em geral na saída – mesmo que a mídia não noticie, há brigas em TODOS os jogos, ou ao menos havia na época em que tomei a decisão.

    Pior que não basta não ir a estádios. Em 2005, dei o tremendo azar de estar em São Paulo na estação de metrô Tatuapé, no dia e hora em que houve uma briga entre as torcidas de Corinthians e Palmeiras, que resultou num tiroteio com a polícia que fez parar a estação do metrô (tivemos que ficar nem sei quanto tempo deitados na cozinha da estação, na área privativa dos funcionários). O tiroteio resultou na morte de um torcedor palmeirense.

Os comentários estão desativados.