Sejamos todos um pouco de Eric Hobsbawm

Eric Hobsbawm (1917-2012)

‎A injustiça ainda precisa ser denunciada e combatida. O mundo não vai melhorar sozinho.

Li a frase acima no final de “Tempos Interessantes”, autobiografia de Eric Hobsbawm, na qual ele fala de “uma vida no Século XX”. Nascido em 9 de junho de 1917, cinco meses antes, portanto, da Revolução de Outubro, e três anos após o início da Primeira Guerra Mundial, Hobsbawm pode dizer que viveu o Século XX praticamente em sua totalidade, mesmo que sem lembranças “em primeira mão” dos primeiros anos.

Em suas obras sobre a História Contemporânea, Hobsbawm procurou distinguir o século cronológico (cem anos de duração, começando nos anos “01” e acabando nos “00”) do histórico. Em sua visão (que eu referendo), ele diz que em termos históricos o Século XIX foi “longo”, estendendo-se do início da Revolução Francesa (1789) à deflagração da Primeira Guerra Mundial (1914), e dividindo-se em três “eras”: Era das Revoluções (1789-1848), Era do Capital (1848-1875) e Era dos Impérios (1875-1914). Já o Século XX foi “breve”, a chamada Era dos Extremos, começando em 1914 e terminando com a dissolução da União Soviética em 1991. As quatro “eras” foram estudadas em um livro para cada uma delas, em que Hobsbawm analisou os mais variados aspectos: econômicos, políticos, sociais, culturais etc.

Marxista convicto, Eric Hobsbawm foi um dos maiores historiadores do Século XX e era, até ontem, o maior dos que ainda viviam. Deixa uma extensa e brilhante obra, que vai bem além dos trabalhos dedicados às quatro “eras” do período de 1789 a 1991, e que foi de grande valia em meus anos na faculdade de História (aliás, como continua a ser, e também será na vida acadêmica que pretendo retomar). Mas também deixa uma responsabilidade a todos nós, historiadores ou não.

Como historiador, Hobsbawm obviamente tratou bastante do passado. Mas não deixou também de falar do futuro. E sempre fez questão de dizer que um outro mundo, onde a injustiça seja exceção e não regra, não só é possível como também é necessário.

Naquela frase lá do começo, portanto, reside a nossa responsabilidade: a de sermos todos um pouco de Eric Hobsbawm. Se queremos um mundo melhor, temos de fazer o necessário para que ele se torne realidade.

Anúncios

2 comentários sobre “Sejamos todos um pouco de Eric Hobsbawm

  1. Pingback: Os dois no mesmo ano é sacanagem | Cão Uivador

Os comentários estão desativados.