O outro 11 de setembro

Há 11 anos o dia 11 de setembro virou, para muita gente, um símbolo de barbárie. Não foi sem justificativa: cerca de 3 mil pessoas perderam suas vidas nos atentados terroristas que aconteceram naquela terça-feira de 2001 nos Estados Unidos. Uma das consequências daquele trágico dia foi a “guerra ao terror” travada pelos EUA no Afeganistão e no Iraque, que já matou quase um milhão de pessoas.

Porém, é sempre importante lembrar o outro 11 de setembro, que já era um símbolo de barbárie desde 1973. Há 39 anos, também uma terça-feira, um golpe militar que contou com o apoio dos Estados Unidos derrubou o presidente do Chile, Salvador Allende. O general Augusto Pinochet, que fora nomeado comandante do Exército pelo próprio Allende, traiu seu comandante-em-chefe e liderou a criminosa ação militar que resultou no bombardeio do Palácio de la Moneda, sede da presidência chilena. Allende ensaiou uma resistência, mas ao perceber que não teria como derrotar os golpistas, fez um último pronunciamento pelo rádio. Depois, cometeu suicídio ou foi assassinado – ainda não há uma certeza sobre sua morte.

Pinochet assumiu o poder à força, para governar ditatorialmente até 1990 e comandar uma repressão que foi das mais sangrentas que viu a América Latina. Milhares de pessoas foram assassinadas.

Assim como lembramos e lamentamos as vidas perdidas naquela terça-feira de 2001, é preciso também fazer o mesmo em relação às vítimas do 11 de setembro de 1973.

Anúncios

2 comentários sobre “O outro 11 de setembro

  1. Pingback: Sul 21 » O outro 11 de setembro

  2. Pingback: Allende: foi suicídio, não assassinato | Cão Uivador

Os comentários estão desativados.