Bom sinal?

Fevereiro ainda não acabou, e notei que um plátano na Praça Dom Sebastião, quase no Centro de Porto Alegre, já tem algumas folhas secas para nos lembrar que, pelo calendário, o outono se aproxima. Seria um sinal de que não falta tanto para, finalmente, o calorão ir embora?

Não resisti: “saquei” o celular e tirei uma foto da árvore ontem (quando notei as folhas secas), e mais duas hoje.

Anúncios

3 comentários sobre “Bom sinal?

  1. Muito bonitas as fotos, Rodrigo! Se te ajuda na tua esperança, saiba que aqui, agora, está fazendo um calor bem anormal, indicando que a primavera também se aproxima por esses lados.

    Abração!

  2. Rapaz, vosmecê é igual a mim. Odiamos o calor. Eu já disse aqui que os trópicos são o lugar da barbárie e da não-civilização. E vosmecê não concordou. Patriotismo? Mas a barbárie (a mais evidente é a temperatura) nos rodeia.

    Os trópicos só servem para as escapadas, velhas e novas. As referências são muitas, uma delas de Franz Fanon, quando disse que os trópicos são o “território de prazeres, a serviço da burguesia”. Há séculos. Quer dizer: ontem e hoje é o local do fuk-fuk bucal, sexual e corporal dos aventureiros e deserdados de ontem, e das classes médias européia e norte-americana de hoje. Detalhe: no máximo, 15 ou 20 dias. Depois, porque o fuk-fuk é relaxante mas esgota o corpo (para não dizer o bolso) e ninguém é de ferro, a volta à civilização. Trópicos, só para turismo, e olhe lá. Sartre que o diga. Vinte anos seguidos, no mês de outubro, entre Roma, Veneza e Firenze. Outubro, viu? Uns 10/15º Bom, né?

    Mas, pelo amor de Deus não me venha falar dos incas (eu admiro aquela civilização), aztecas, toltecas e maias. No tempo deles a temperatura era outra. E eu, torrando no Nordeste de janeiro a dezembro, em pensamento, todos os dias volto à Rússia, à Finlândia, à Estônia e por aí vai (a internet serve prá isso também). Esta semana já passeei por Kazan, Samara e Nijni Novgorod. O exílio dói, dói mais do que um tiro. Tamos entendidos?

Os comentários estão desativados.