A arte de assustar

Sou fã de filmes de terror. Mas não falo daqueles estilo “banho de sangue”, com um assassino mascarado que quer matar todo mundo. Até porque eles costumam ser por demais previsíveis. (E há alguns tão toscos que chegam a ser engraçados.)

Engana-se quem pensa que assustar as pessoas com um filme é fácil. Pois uma coisa é dar sustos, dos quais nos recuperamos e chegamos até mesmo a rir – mesmo que, para mais adiante, levarmos outro cagaço. Outra bem diferente é deixar o espectador tenso, com o coração na boca, sem sequer precisar mostrar algum monstro.

Pois é o que experimentei na prática ontem, assistindo a Atividade Paranormal 3. É um filme aparentemente fácil de fazer (assim como os dois primeiros da série): basta ligar uma câmera comum, ir dormir e no dia seguinte assistir ao vídeo em busca dos fantasmas. O problema é fazer eles se manifestarem… (Que tal deixar uma câmera no banheiro, com um gravador repetindo “Blood Mary” a noite inteira?)

O que mais gosto nestes filmes ao estilo “falso documentário” é que eles parecem mais “reais”. Ao assistirmos filmagens feitas em câmeras comuns, fica mais difícil dizer “é só um filme, nada disso existe de verdade nem é uma ameaça”. Quando se parece estar “dentro” da história, o que menos pensamos é que “é só um filme”.

Mas obviamente isso não significa deixar de lado grandes filmes de terror feitos no passado – e que ainda considero melhores que os “falsos documentários”, pois também conseguem nos envolver na história, a ponto de esquecermos a realidade (embora às vezes a desgraçada se manifeste através de um telefone) e só nos concentrarmos na tela. Como não sentir “os nervos à flor da pele” em O Bebê de Rosemary (1968) por exemplo?

E até hoje, não assisti nenhum filme de terror melhor que a versão de O Iluminado (1980) produzida por Stanley Kubrick. Com direito a duas das cenas mais assustadoras da história do cinema: desafio o leitor a assistir a pelo menos um dos vídeos abaixo de madrugada, com todas as luzes apagadas.

4 respostas em “A arte de assustar

  1. Creeeedo… nem vou abrir hoje… mas eu adooooro filmes de terror. Lembro que meu pai contava histórias de lobisomem antes de eu ir pra cama… ele saía no pátio e dizia que ia matar o bicho… eu estou tentando escrever contos de terror pra depois transformá-los em filme se der certo.. eu tenho medo até dos filmes do Zé do Caixão…

  2. Já te deste conta que os filmes de terror não são nada sem a trilha sonora? Qdo o medo bate eu tiro o som. Mas o que substitui o som num conto de terror escrito? Estou na busca da resposta…

    • Como já tinha visto todos os vídeos anteriormente, não precisei ver de novo na hora de postar, hehe.

      E realmente a trilha sonora faz muita diferença num filme de terror – não consigo imaginar aquela cena do Danny andando de triciclo pelo hotel sem aquela música preocupante ao fundo. E a do REDRUM então?

      Mas, no “Atividade Paranormal” a gente se caga mesmo sem trilha sonora – imagina se tivesse! No caso dos livros, depende muito da maneira como a história é escrita – o Stephen King, por exemplo, é um verdadeiro gênio na arte de causar medo.

Deixe uma resposta para Nara Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s