Definitivamente, só pode ser burrice

Não que eu tenha interesse em secar o Inter – nem perco meu tempo com isso, já tenho o Grêmio para torcer. Mas que é burro o critério de escolha para as transmissões de futebol da Rede Globo, é.

Ora, o que nós aqui no Rio Grande do Sul queremos com Vasco x Corinthians? Mesmo que não seja para secar, é óbvio que Santos x Internacional é um jogo muito melhor de se ver – nem que fosse para ser transmitido só para cá (e para o Rio, onde se realiza a partida que a Globo passa em rede nacional). Afinal, trata-se do confronto entre o time mais badalado pela própria “grande mídia” (Neymar, lembram?) e o atual campeão da Libertadores.

“O critério é comercial, o número de torcedores dos times, lembra?” – poderá dizer algum leitor. Mas semana passada, os telespectadores do Rio Grande do Sul assistiram ao jogo Ceará x Inter, com narração de Paulo Brito. Não é desrespeitar o Vozão, valoroso adversário do Grêmio na final da Copa do Brasil de 1994, mas por acaso o Ceará tem mais time que o Santos? (Apesar dele ter vencido o Peixe recentemente.)

Não tem outra explicação: a Globo é muito burra – e falo em termos comerciais mesmo. Passasse Santos x Inter, teria muito mais audiência no Rio Grande do Sul – assim como dos interessados em assistir a uma boa partida de futebol. E os torcedores colorados que ligarem a televisão na Globo, provavelmente a deixarão sem volume para ouvirem pelo rádio o jogo do Inter, só prestando atenção na telinha quando sair gol na partida que lhes interessa – assim, aqueles anúncios publicitários feitos durante o jogo (e no intervalo) atingirão menos gente…

Anúncios

10 comentários sobre “Definitivamente, só pode ser burrice

  1. Rodrigo,

    Nem que 100% do RS não assistisse ao jogo do T.A. seria negócio para a Globo transmitir para o país inteiro Santos x T.A. O Santos não tem nem a maior torcida da sua cidade. A honra cabe ao… Corinthians.

    O Vasco tem mais torcida do que o Grêmio. O Corinthians tem a 2ª maior torcida do país e a maior disparado do estado de SP.

    Só SP capital possui quase 40% de corintianos e a sua população equivale à do RS INTEIRO. O Estado de SP possui mais de 40 milhões de habitantes (4x o RS). A renda per capita do estado de SP é bem mais alta do que a do RS, além de cerca de 40% do PIB nacional vir de suas indústrias.

    Definitivamente, se eu for pensar única e exclusivamente no modelo de negócios da Globo e em como se configura a sua carta de anunciantes e o grosso da sua audiência, definitivamente, ela está certíssima.

    []’s,
    Hélio

    • Claro, Hélio, que eu vejo lógica em Vasco x Corinthians ser o jogo “nacional”. Mas certamente o interesse maior, pelo menos no RS, era por Santos x Inter.

      Foi uma burrice da Globo, pois semana passada passaram Ceará x Inter (jogo que certamente só os colorados – e os “secadores” – assistiram). Não tem lógica passarem esse jogo, e não Santos x Inter para o RS.

  2. A dedução lógica disso tudo é que corintiano não é torcida, é metástase! Comecem a quimio imediatamente!

    Por aqui, eles passaram Emelec x Avaí, pela Sula Miranda, a Copa do Brasil em nível continental.

    O jogo mais importante da história do Leão, que nunca antes havia jogado uma partida internacional oficial. Tomaram um cravaço aos 46 do segundo, mas pelo menos fizeram um golzinho fora de casa.

    • Pra ver só: os catarinenses podendo assistir ao jogo do time de seu Estado, e os gaúchos não… E isso que era um jogo melhor.

      Desta vez foi com o Inter, mas já foi com o Grêmio (e ainda acontecerá muitas vezes, com ambos).

      Aquele #diasemglobo da Copa deveria ter sido mantido de forma indefinida!

  3. Apoiado no protesto camarada Rodrigo!

    Mas na verdade, mesmo tendo o PFC, não assisti ao jogo. Estou esperando, desde agosto, Abu Dabhi, ou Abu DÁ-BI como têm dito alguns. E este eu sei que vai passar direto para todo o Brasil! Porque embora haja preferência comercial por alguns clubes, nos últimos anos todo mundo se dá mal, pois só o Colorado é internacional! E estes torneios não tem como não passar tendo um brasileiro nas cabeças!

  4. A Globo compra os direitos de transmissão de vários campeonatos de vários esportes para não transmiti-los. Ela evita, assim, que outras emissoras brasileiras possam transmitir o mesmo evento. Quando pode obter exclusividade, ela vai lá e compra.

    Independentemente dos clubes cujos jogos sejam transmitidos e da falta de respeito aos regionalismos, a única possibilidade de isso parar de ocorrer seria uma Ley de los Medios argentina à brasileira. Porém, considero perigosíssimo peitar o PiG enquanto não houver a certeza de que a população brasileira será menos carola e muito mais estudiosa.

    Infelizmente, o grosso da população de todos os níveis de escolaridade e de todos os estamentos é predominantemente semianalfabeta e a grande maioria (com ou sem emprego formal; com ou sem BOlsa Família) recebe uma miséria. Pra mim, salário começa a contar a partir de 1500 reais por até 40h de trabalho semanais, que seria o mínimo para uma pessoa poder pagar por um JK sem passar necessidade alguma.

    Considero até meus conhecidos de direita médicos, advogados, dentistas e administradores bem criados e formados na PUCRS e na UFRGS. Do contrário, não seriam influenciados pelo PiG e não repassariam o spam de esgoto pra votar no Serra…

    []’s,
    Hélio

    • Fato. Um bom exemplo são os Jogos Olímpicos: quando a emissora compra os direitos, paga pelo pacote inteiro (Verão e Inverno); a Globo podia passar os Jogos de Inverno mas não o fazia, preferindo transmitir tão somente os de Verão.

      Agora a Record comprou os direitos, e passou os Jogos de Inverno. Não sei se bateu a Globo na audiência, mas houve considerável interesse do público.

  5. Apoiados Rodrigo e Hélio. Precisamos é acabar com o monopólio da Globo. A Record já abriu uma trincheira. Se mais emissoras conseguirem entrar no jogo e comprarem mais direitos a globo fatalmente perderá o burro direito de não transmitir os jogos. Se nada disso der certo, “Ley de los Medios argentina à brasileira”.

Os comentários estão desativados.