Final monárquica

Domingo, o seleto clube das seleções campeãs mundiais ganhará um novo integrante. Mas a decisão entre Holanda e Espanha também tem outro fato curioso a ser destacado: ambos os países são Estados monárquicos.

A última monarquia campeã mundial foi a Inglaterra, em 1966. E a última (e única, até agora) vez em que duas monarquias decidiram a Copa do Mundo foi em 1938: o título ficou com a Itália (campeã também em 1934), que tinha Benito Mussolini como seu primeiro-ministro, mas o Chefe de Estado era o rei Vítor Emanuel III, que reinou até 9 de maio de 1946, pouco antes da proclamação da República Italiana; já o vice-campeonato ficou com a Hungria, também monárquica na época, embora o Chefe de Estado não fosse propriamente um rei, e sim um regente eleito, Miklós Horthy, que colaborou com o nazismo e “reinou” até 1944, quando abdicou defendendo um armistício com a União Soviética.

A Hungria de 1938 não foi a única monarquia vice-campeã mundial. Também “bateram na trave” a Suécia em 1958, e a própria Holanda, em 1974 e 1978.

Como se vê, a maioria esmagadora das Copas teve como campeãs e também vices seleções representantes de países republicanos. Alguns, apenas nominalmente: duas vezes, países sob ditaduras militares ganharam a taça – o Brasil em 1970, e a Argentina em 1978 (jogando em casa).

Já os países “socialistas” (acho mais adequado o termo “burocráticos de partido único”) chegaram duas vezes ao vice-campeonato: a fantástica Hungria de Ferenc Puskás em 1954, e a Tchecoslováquia em 1962 (inclusive, se diz que a liberação de Garrincha para jogar a final mesmo tendo sido expulso na semifinal contra o Chile se deveria ao temor de que uma seleção do “bloco soviético” ganhasse a Copa).

————

Outra curiosidade desta “final monárquica” é que ela também é a segunda consecutiva entre seleções europeias, o que não acontecia desde 1934 (Itália x Tchecoslováquia) e 1938 (Itália x Hungria).

Anúncios

10 respostas em “Final monárquica

  1. Pingback: Tweets that mention Final monárquica « Cão Uivador -- Topsy.com

  2. Uai, mas no tri a gente não era uma monarquia também? O rei do futebol jogava no Brasil.

    Li em algum lugar, acho que na biografia do Garrincha (Ruy Castro), que a liberação do Mané para a final no Chile teria sido uma espécie de retribuição da FIFA, pela realização da Copa de 50. Exaurida financeiramente pela guerra, a Associação não teria condições de realizar a Copa. Aí o Brasil bancou. Si non é vero…

    Vou torcer pra Holanda porque eles têm carecas no time. Somos discriminados e temos que nos unir nessas horas. Ah, e tb porque os holandeses são abertos com relação a certos hábitos fumacentos que cultivo…

    Mas deixemos que o Paul-vo decida.

    • É bem provável que seja assim, principalmente naquelas mais autoritárias como a Arábia Saudita.

      Aliás, na Espanha de Franco (que se comprometeu a devolver o poder à família real depois que morresse – democrático o cara, né?), a rivalidade entre Real Madrid e Barcelona se fortaleceu nessa época: a ditadura usava o supertime do Real na década de 50 como instrumento de propaganda do regime e símbolo da “Espanha unida”, e o Barça representava a resistência dos catalães ao centralismo da ditadura.

  3. Cão Uivador é cultura!

    Mas as duas finais européias de 1934 e 38 tinham um fator diferente do atual. Naquela época as seleções não viajavam para copas em outros continentes. Era muito caro e as confederações não eram ricas como hoje.

    O Uruguai, o melhor time da época, não foi para as duas copas, por isso ficou mais fácil para a Itália. E ela também não tinha vindo aqui no Prata em 1930.

    • Boa observação, André. Eu não tinha reparado nisso.

      Em 1930, a Europa só teve Bélgica, França, Iugoslávia e Romênia como suas representantes. E em 1938, o Brasil foi a única seleção sul-americana. Como na época as viagens eram de navio e levavam semanas, e muitos jogadores eram amadores e não podiam se ausentar por muito tempo de seus empregos, em cada Copa do Mundo predominavam os países do continente em que ela era disputada.

  4. A Hungria de 54 também foi prejudicada pela arbitragem na final ao ter um gol legítimo do craque Puskas anulado por um árbitro inglês!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s