Monstrografia

“Monografia” lembra mais uma palavra amputada do que um tipo de trabalho acadêmico. Parece faltar o “str”, que a deixam mais, digamos… Ameaçadora.

Ainda mais se tratando de uma que define os rumos do cara na vida – ou seja, meu caso. Gera angústia olhar para o editor de texto, que hoje em dia é uma autêntica representação eletrônica das folhas de papel, e ver aquela porcaria em branco. Faço as contas, e constato ter cerca de dois meses e meio para transformar aquela “folha em branco” em no mínimo 35 páginas de um texto consistente e com embasamento teórico. Parece impossível. Desanimador.

Mas aí começo a pensar nos formandos dos tempos em que computador caseiro era coisa rara – tanto que não se exigia trabalho digitado, e sim datilografado. (Aliás, incrível pensar que os nascidos de 1990 em diante tiveram pouco ou nenhum contato com LP, ficha telefônica e datilografia. Assim como dificilmente viram um telefone no qual realmente se discava – ou seja, que tinha um disco no painel, e não teclas.)

Fazer uma monografia à máquina de escrever devia uma tarefa realmente monstruosa. Considerando que é um trabalho acadêmico, certamente uma letra errada inviabilizaria uma página inteira – afinal, é muito importante para ficar cheia de borrões. E provavelmente, era preciso pensar muito bem antes de escrever: não havia “delete” nem “recorta e cola” para reorganizar o texto. Hoje, pode-se errar à vontade – desde que os erros sejam suprimidos da versão final do trabalho, é claro. Assim, fica mais fácil começar a escrever.

Mas a relativa facilidade de se escrever uma monografia de conclusão em 2009 não lhe tira o caráter de “rito de passagem”. De certa forma, todos precisamos deles, para nos sentirmos “em uma nova etapa da vida”. Provavelmente o leitor não imagine o que significou o 15 de outubro de 1997 para mim: eu completava 16 anos de idade, podia, enfim, votar! Embora a eleição fosse ocorrer somente em 1998, já tinha o título em mãos quase um ano antes, pois fui fazê-lo ainda em outubro de 1997. Mais do que ter os tão sonhados 16 anos, eu precisava do símbolo deste “poder”.

Já o trabalho de conclusão de curso é o rito de passagem acadêmico. Eu até poderia saber tudo de História (algo impossível), mas de nada adiantaria sem ter uma boa monografia. Pois não basta saber, é preciso produzir conhecimento. E isso é ótimo para o Brasil – pois quanto mais pesquisas forem desenvolvidas nas universidades, melhor – e também para mim: percebo que terei superado uma etapa na vida no momento em que a banca disser que meu trabalho está aprovado. Passarei a me ver não mais como um graduando, e sim graduado. Me sentirei realmente historiador (hoje digo que sou um “quase”).

Menos mal que a “angústia da folha em branco” já é passado. Agora, minha preocupação é não ultrapassar o número máximo de páginas permitido para o trabalho.

Anúncios

6 respostas em “Monstrografia

  1. Outro dia, tuitei que, há muito tempo, não via uma petição de advogado datilografada como a que estava em minhas mãos naquela hora. Ela foi redigida em 1997, mas o advogado era “velha guarda”: redação impecável, juridicamente perfeita, datilografia idem.

    Aí fiquei comparando com outras aqui, feitas no computador, cheias de jurisprudências on-line copiadas/coladas, e pensei: “putz, se não existisse computador, 80% dos advogados abandonariam a profissão”.

    Sorte aí com a “monstrografia”.

    • Aliás, isso me fez reparar que, não fosse o computador, não haveriam tantos plágios de trabalhos acadêmicos. Quem em sã consciência teria saco para copiar todo um trabalho feito por outra pessoa, letra por letra, à máquina de escrever? Ou o cara tomaria vergonha na cara e faria um trabalho decente, ou desistiria da vida de estudante…

  2. Rodrigo,

    Há uma série de medidas pedagógicas para se evitar trabalhos copiados. A defesa nos cursos de graduação nas Humanas, nos pós-graduação lato sensu (especializações e MBAs) e stricto sensu (mestrado e doutorado) além das apresentações de artigos é uma delas.

    Em sala de aula, tanto na escola como na faculdade, basta o professor pedir para o pessoal apresentar trabalhos traçando um monte de diretrizes. Além do plágio, evita-se um outro mal do copy/paste: o de lerem os slides da apresentação e de não saberem nem o que estão lendo caso o professor pergunte.

    No mais, estou terminando só agora, depois de sete meses, meu primeiro artigo para submeter a um congresso. Não poderei ir, mas participarei dele online. Além do mais, estou tentando abrir um novo “mercado”, isto é, novos contatos, ao ser um cara de outro país e de outro continente num evento onde não predominam os pesquisadores cujo trabalho é mais influenciado pelos estadunidenses.

    Só pra te dar um estímulo: depois de muito tempo deprimido e ainda meio perdido, tô adaptando um capítulo da minha dissertação para um artigo em menos de 12h. E tô achando barbada! ;)

    O problema é começar. Se tu dominas o tema e tens muita curiosidade pra investigar um fenômeno qualquer, aí tu te empolgas e a coisa flui.

    VAI QUE DÁ!!! :D

    []’s,
    Hélio

    • Agora tá andando! Só não foi mais hoje, porque eu quis poupar o computador de eventuais raios e desliguei quando o temporal chegou – e no fim foi só (SÓ???????) aquela ventania…
      Eu já tenho o trabalho “pronto” na cabeça, só preciso “traduzir” boa parte para o papel. E em 2007 eu escrevi um trabalho para a cadeira sobre futebol, que tratava do Robertão de 1967 – ou seja, parte do TCC tá ali, é só dar uma editada.

  3. Pingback: Lembranças do “meu tempo” « Cão Uivador

  4. Pingback: Véspera de um dia histórico (para mim) « Cão Uivador

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s