Fragmentos do dia-a-dia

Texto “roubado” do Alma da Geral:

Ele passeia de ônibus, olhando pela janela as ruas escurecendo, o movimento se tornando amarelo pelas luzes que começam a se acender de todos os lados.
O motor do ônibus soa compondo uma sinfonia urbana, misturada com as inserções de buzinas e com o som da catraca reco-reco a cada passageiro novo que adentra na “zona paga” do coletivo.
Está introspectivo, pensando. Aquilo tudo é música aos seus ouvidos, é harmonioso.
Mas o concerto que ele contempla é de repente interrompido por uma interferência horrível, de altos decibéis, que vem de dentro do próprio ônibus. São bancos mal fixados em frente à porta traseira, que parecem ter vida, e a cada buraco do corredor da avenida gritam desesperadamente para que os parafusos se soltem e, então, possam finalmente voar livres pelos ares do coletivo.
As poucas pessoas se assustam, o rapaz levanta-se, vai em direção ao cidadão-cobrador:
– Vem cá, tchê! Vocês recebem insalubridade?! – pergunta ele provavelmente provocando o funcionário da empresa pública, pois aquele barulho todo certamente causaria danos ao aparelho auditivo se a pessoa convivesse com isso com certa freqüência.
O trocador – no carioquês – “deu de ombros” e respondeu:
– Ah, pois é. Votaram no cara, agora vão ser mais quatro anos disso…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s